PremiumPrivados estão céticos quanto ao plano de Fernando Medina

Associação Lisbonense de Proprietários defende que incentivos fiscais para reabilitação de edifícios para AL devem ser renovados este ano, sob pena de algumas zonas da capital voltarem a ter o aspeto de “cenários de guerra”.

Um título mal traduzido pelo “The Independent” foi o rastilho que colocou em polvorosa as empresas de alojamento local lisboetas. Contudo, e ao contrário do publicado no jornal britânico, o presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML), Fernando Medina, não pretende proibir os espaços de Airbnb na capital, mas sim promover a sua transformação, de forma voluntária, em habitações de arrendamento a longo prazo.

Poderá esta decisão colocar em causa a sustentabilidade dos modelos de negócio dos proprietários? Iolanda Gávea, vice-presidente da Associação Lisbonense de Proprietários (ALP) afirma ao Jornal Económico que face a esta alteração de cenário, “as pessoas têm de passar uma rasteira à pandemia”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Ageas Portugal adquire o edifício Expo Tower no Parque das Nações

A assessoria da Ageas ficou a cargo da Cushman & Wakefield na análise comercial, da Vieira de Almeida na componente jurídica e negociação e pela KPMG como consultor financeiro e fiscal.  Os Fundos geridos pela Anchorage Capital Group foram assessorados pela CBRE, pela Morais Leitão, pela Ernst & Young e NPN – Neves, Pinheiro, Neves & Associados.

Da piscina na cidade à tranquilidade do campo. Estas foram as casas de luxo mais visitadas em Portugal

Os portugueses continuam a “piscar o olho” às casas de luxo. Desde herdades, palácios ou mansões com vista para o mar ou piscinas infinitas: há quem não resista a “espreitar” este universo de imóveis incríveis. E a verdade é que ver casas de luxo na internet tornou-se num dos “passatempos” preferidos de muitas pessoas, que dedicam parte do seu tempo livre a fantasiar sobre o mundo.

Investimento imobiliário comercial atinge novo máximo de 1,7 mil milhões no semestre, apesar da pandemia

Este valor representa um crescimento de 50% em relação ao mesmo período do ano anterior. No entanto, os efeitos da pandemia fizeram-se sentir no último trimestre com quebras de 88%, o que significou uma perda de 87,5 milhões de euros.
Comentários