Procura de terrenos mais do que duplicou em 11 distritos. Em Bragança disparou 600%

A pandemia fez aumentar a procura de terrenos urbanísticos e rústicos para a construção de casa desde março de 2020. Preços subiram em metade dos distritos com destaque para Évora e Vila Real ambos com 39%, Bragança (+22%) e Coimbra (+21%).

Bragança

O interesse dos portugueses na compra de terrenos urbanos e rústicos para construção de casa registou um aumento significativo com a chegada da pandemia de Covid-19 a Portugal em março de 2020. Desde essa altura e até março de 2021, a procura por terrenos urbanos cresceu em 16 dos 18 dos distritos, sendo que em 11 mais do que duplicou, de acordo com um estudo divulgado pelo “idealista news” esta terça-feira, 4 de maio.

O caso mais expressivo foi verificado no distrito de Bragança, onde a procura por este tipo de terrenos disparou em 600%, seguindo-se Braga com um crescimento de 219%, Setúbal a registar um aumento de 168%, Leiria (+150%), Santarém (+142%), Beja (+135%), Faro (+135%), Porto (+132%), Lisboa (+129%), Portalegre (+113%) e Aveiro (+110%).

Em sentido inverso, as famílias portuguesas olharam menos para este tipo de terrenos no distrito da Guarda (-52%) e em Castelo Branco (-3%), distritos onde o stock pouco aumentou (6-7%) e os preços unitários pouco ou nada diminuíram.

Durante este período, o preço unitário subiu, embora menos 22% do que o verificado em março deste ano com 89,4 euros/m2. Os preços unitários dos terrenos aumentaram em metade dos distritos analisados, com destaque para Évora e Vila Real, ambos com 39%, Bragança (+22%) e Coimbra (+21%).

Em sentido contrário, em oito distritos de Portugal Continental, o valor destes terrenos desceu, com a queda mais significativa a registar-se em Portalegre (-24%), seguida de Beja (-12%) e Viseu (-9%).

Também nos terrenos rústicos a procura subiu em todos os distritos, sendo que mais do que duplicou em metade deles com variações superiores a 100%, entre o período de março de 2020 e 2021. Os maiores aumentos foram verificados em Faro (+250%), Setúbal (+186%), Vila Real (+171%), Castelo Branco (+165%), Bragança (+161%), Aveiro (+152%), Beja (+131%), Viana do Castelo (+124%) e Coimbra (+106%), com a procura mais baixa a registar-se em Portalegre (19%).

Na mesma linha também os preços unitários destes terrenos subiram em 13 dos 18 distritos, com a mais expressiva a ser em Portalegre (51%), onde o valor dos terrenos rústicos cresceu de 2,5 euros/m2 para 3,7 euros/m2. Lisboa registou a segunda maior subida neste período (49%), onde os preços atingiram os 10 euros/m2 em março de 2021.

Vila Real fecha o pódio com uma variação de 37%, fixando o preço dos solos rústicos em 6 euros/m2. Houve apenas quatro distritos onde os valores dos terrenos deste tipo colocados no mercado em março de 2021 foi menor do que no período homólogo: Guarda (-12%), Braga (-11%), no Porto (-10%) e Aveiro (-6%).

Inês Campaniço, responsável do idealista/data em Portugal, explica que se forem comparados “os dados de 2019, antes do aparecimento da Covid-19, e os dados de hoje, percebemos que há um interesse claro nos terrenos, seja para construção de habitações com mais espaço interior e exterior, assim como os terrenos rústicos, para cultivos, considerando que a atividade agrícola se provou resiliente em tempos de pandemia”.

Ler mais
Recomendadas

Porto de Lisboa com protocolo de segurança para receber cruzeiros

No âmbito do processo de levantamento gradual das restrições impostas para travar a covid-19, “a partir das 00:00 horas desta segunda-feira e até às 23:59 horas de 30 de maio, é permitido o embarque, desembarque e licenças para terra de passageiros e tripulações dos navios de cruzeiro em portos localizados em território nacional continental”, lembra a Administração do Porto de Lisboa (APL), num comunicado hoje emitido.

“Senti como uma agressão. Um modo de agir preconceituoso e racista”. Deputada Romualda Fernandes reage a episódio com a Lusa

Citada hoje pelo Público, a deputada socialista refere que “infelizmente” não lê o episódio “como um lapso, ou como um erro”, porque no seu entender “reflete um pensamento, um modo de agir profundamente preconceituoso e racista” que sentiu “como uma agressão”.

Turismo em Portugal deverá crescer 20% a 30% em 2021, estima Governo

“Se tudo continuar a correr bem ao nível do plano de vacinação, do controlo das novas estirpes e do certificado verde digital, temos boas perspetivas para ficarmos neste ano 20% a 30% acima do ano passado”, realçou a governante em entrevista.
Comentários