Procurador especial Robert Mueller diz que os russos propuseram à campanha de Trump uma “sinergia política”

Um dirigente russo propôs em novembro de 2015 à campanha eleitoral de Donald Trump uma “sinergia política”, indica um documento apresentado em tribunal pelo procurador especial Robert Mueller, na sexta-feira. Robert Mueller está a investigar um eventual conluio entre Moscovo e a campanha eleitoral do então candidato presidencial republicano, Donald Trump.

Em sete páginas, o procurador especial e ex-diretor da polícia federal (FBI, na sigla em inglês), sublinhou que o ex-advogado pessoal de Trump, Michael Cohen, indicou que esteve em contacto com um russo, em novembro de 2015, afirmando ser “uma pessoa de confiança” do Governo de Moscovo, oferecendo à campanha de Trump “uma sinergia política” e “uma sinergia a um nível governamental”.

Estas novas revelações ocorrem quando Trump não para de querer desacreditar o inquérito liderado por Mueller, considerando que a investigação já durou muito tempo e que não vai revelar “qualquer conluio” entre a sua campanha e os russos.

Recomendadas

Dados oficiais elevam para 207 número de mortos no Sri Lanka

A oitava e última explosão, até ao momento, teve lugar num complexo de vivendas na zona de Dermatagoda.

Oito explosões elevam para 187 o número de mortos no Sri Lanka

Após as oito explosões, o Governo decretou o Estado de Emergência e a polícia impôs o recolher obrigatório com efeito imediato perante o perigo de novos ataques.

Português entre os 156 mortos numa série de explosões no Sri Lanka

As explosões ocorreram “quase em simultâneo”, pelas 08:45 (03:15 em Portugal), de acordo com fontes policiais citadas por agências internacionais.
Comentários