Procurador especial Robert Mueller diz que os russos propuseram à campanha de Trump uma “sinergia política”

Um dirigente russo propôs em novembro de 2015 à campanha eleitoral de Donald Trump uma “sinergia política”, indica um documento apresentado em tribunal pelo procurador especial Robert Mueller, na sexta-feira. Robert Mueller está a investigar um eventual conluio entre Moscovo e a campanha eleitoral do então candidato presidencial republicano, Donald Trump.

Em sete páginas, o procurador especial e ex-diretor da polícia federal (FBI, na sigla em inglês), sublinhou que o ex-advogado pessoal de Trump, Michael Cohen, indicou que esteve em contacto com um russo, em novembro de 2015, afirmando ser “uma pessoa de confiança” do Governo de Moscovo, oferecendo à campanha de Trump “uma sinergia política” e “uma sinergia a um nível governamental”.

Estas novas revelações ocorrem quando Trump não para de querer desacreditar o inquérito liderado por Mueller, considerando que a investigação já durou muito tempo e que não vai revelar “qualquer conluio” entre a sua campanha e os russos.

Recomendadas

Revolta dos “coletes amarelos” já causou prejuízos superiores a mil milhões de euros

O ministro das Finanças francês, Bruno Le Maire, disse hoje que os protestos foram um golpe sério para as empresas e a economia da nação.

Emmanuel Macron fala aos franceses na segunda-feira

O Presidente francês, Emmanuel Macron, vai dirigir-se à nação na segunda-feira às 20:00 (19:00 em Lisboa), anunciou hoje o Eliseu, após o silêncio em relação às últimas manifestações dos “coletes amarelos”.

Bernard Madoff: 10 anos sobre maior esquema Ponzi da história

Considerado o autor da maior fraude de sempre, foi condenado, aos 71 anos, a 150 anos de prisão. Em tribunal, pediu desculpa aos investidores, empregados e à mulher.
Comentários