Produção automóvel em Portugal caiu 95,7% em abril

No mês em análise foram produzidos 1.238 unidades, sendo que pela primeira vez em Portugal não se produziram veículos comerciais ligeiros.

A produção automóvel registou uma quebra de 95,7% no mês de abril, altura em que foram produzidos, em Portugal, apenas 1.238 veículos automóveis ligeiros e pesados face ao período homólogo do ano anterior, de acordo com os dados revelados pela Associação Automóvel de Portugal (ACAP) esta quinta-feira, 14 de maio.

Pela primeira vez em Portugal não se produziram veículos comerciais ligeiros. Estes valores continuam a ser um reflexo do impacto que o coronavírus teve no setor. Em termos acumulados, no primeiro quadrimestre de 2020, registou-se um decréscimo de 36,3%  em comparação com o período homólogo, o que correspondeu a 78.442 unidades fabricadas em 2020.

Estes dados revelam a importância que as exportações representam para o setor automóvel já que 98,1% dos veículos fabricados em Portugal têm como destino o mercado externo, o que “contribui de forma significativa para a balança comercial portuguesa”, indica o comunicado.

A Europa continuou a ser o mercado líder nas exportações dos veículos fabricados em território nacional com 97,5%, com a Alemanha (19,6%), França (16,7%), Itália (15,7%), Espanha (11,2%) e Reino Unido (9,9%) no topo do ranking.

Recomendadas

Portugal em 7º lugar no indicador global de literacia financeira, segundo a OCDE

Portugal, através do Ministério da Educação, participou pela primeira vez, em 2018, no exercício de avaliação de literacia financeira do Programme for International Student Assessment (PISA), cujos resultados foram divulgados no passado dia 7 de maio.

80,6 mil milhões de euros. Mark Zuckerberg já é mais rico que Warren Buffett

O ‘Business Insider’ explica que a subida de Zuckerberg se deveu aos resultados inesperados da plataforma e ao aumento do número de utilizadores durante o primeiro trimestre de 2020.

António Saraiva: “Empresas precisam de apoios a fundo perdido. Não querem agravar dívida”

O barómetro semanal CIP/ISCTE revela que 82,2% das empresas preferem apoios para capitalização que não agravem o seu endividamento e 41,7% dizem que querem suspender ou cancelar investimentos previstos para 2020. O presidente da CIP, António Saraiva diz que as necessidades das linhas de apoio às empresas aumentaram para 10,5 mil milhões de euros.
Comentários