Produção de eletricidade a carvão em Portugal caiu 95% no primeiro semestre

O país registou a maior queda percentual na União Europeia na produção de carvão, depois das duas centrais do país terem estado praticamente sem produzir desde o início do ano. As centrais de Sines e do Pego vão encerrar até ao final de 2021.

A produção de eletricidade a partir de carvão recuou 95% no primeiro semestre deste ano em Portugal face a período homólogo.

Esta foi a maior queda percentual na União Europeia, segundo o estudo realizado pelo think tank Ember, sediado em Londres.

As duas centrais a carvão do país estão praticamente paradas desde o início do ano: a de Sines da EDP, e a do Pego detida pela Tejo Energia, que conta como acionistas a Trustenergy e a Endesa.

A EDP anunciou recentemente que pretende encerrar a central a carvão de Sines até janeiro de 2021, mas a Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG) ainda tem de dar luz verde para a central encerrar nesta data. Já a central detida pela Tejo Energia tem o encerramento previsto até ao final de 2021.

Em Espanha, a queda foi de 58%, com Holanda e França a registarem reduções acima de 50%, e a Grécia a registar uma queda de 48%.

Países onde a produção de carvão tem habitualmente um grande peso também registaram quedas: Polónia (-12%), República Checa e Bulgária (ambas com -20%) e Roménia (40%).

Em termos absolutos, a Alemanha registou a maior queda, com a produção a carvão a cair 311 terawatts hora (-39%).

Olhando para o quadro global na União Europeia, a produção de energias renováveis subiu 11% no primeiro semestre, devido ao aumento da capacidade instalada de energia solar e eólica.

Já a produção a partir de energia fóssil caiu 18% em toda a UE, devido ao aumento de produção de renovável e a queda de 7% na procura devido à pandemia da Covid-19, apontam os analistas da Ember.

Entre estas fontes, o carvão registou a maior queda, com menos 34%, com o gás a cair 6%, e a lignite a recuar 29%. No geral, as emissões de CO2 com origem no setor energético recuaram 23%.

 

EDP vai fechar central a carvão de Sines em janeiro de 2021

Ler mais
Recomendadas

Termina hoje o prazo para famílias e empresas aderirem às moratórias

Segundo os dados mais recentes avançados pelo Governo, o montante envolvido pelas moratórias atinge os 35 mil milhões de euros.

Mastercard Portugal. Pagamentos ‘contactless’ até 50 euros deverão manter-se depois da Covid-19

A opinião é avançada ao JE por Paulo Raposo, diretor geral da Mastercard Portugal, reconhecendo que será uma das alterações no comportamento dos portugueses provocada pela Covid-19 que se vai perdurar. E disse que a pandemia vai acelerar a adoção de criptomoedas e de negócios inovadores.

Valor residual dos carros usados na Europa e nos EUA perderá até 6,86 mil milhões de euros em 12 meses

Até julho de 2021, os mercados de carros usados na Europa e nos EUA correm o risco de perder um valor residual superior ao que perderem na crise de 2008-2009, alerta a consultora Oliver Wyman.
Comentários