Produção de vinho em Portugal deverá registar ligeira quebra de 3% em 2020

O IVV – Instituto da Vinha e do Vinho alerta que “as condições climatéricas que se verificarem até à vindima, nomeadamente a ocorrência de ondas de calor, serão determinantes na quantidade e qualidade da colheita”.

A produção de vinho em Portugal em 2020 deverá registar uma ligeira quebra de 3% face à campanha anterior, avançam as previsões do IVV – Instituto da Vinha e do Vinho.

As estimativas do IVV apontam ainda para uma ligeira redução da produção de 2% em relação à média verificada nas últimas cinco campanhas.

“De acordo com as previsões do Instituto da Vinha e do Vinho (IVV) a produção de vinho deverá diminuir em Portugal em cerca de 3% face à campanha passada, para um volume na ordem dos 6,3 milhões de hectolitros, que corresponde a uma quebra de 2% face à média das cinco últimas campanhas”, adianta uma nota informativa do IVV.

Segundo esse documento, “as regiões do Douro, das Terras do Dão, de Trás-os-Montes e das Terras de Cister poderão ser as mais afetadas, com previsões de quebra de produção entre os 20 e os 35%”.

“As regiões do Minho (+9%), do Alentejo (+5%) e de Lisboa (+5%) serão as que apresentam maiores subidas em volume relativamente à última campanha, com aumentos previsíveis superiores a 45 mil hectolitros”, acrescenta o referido documento.

Para os responsáveis do IVV, “apesar da instabilidade meteorológica observada ao longo do ciclo vegetativo da cultura, e de se terem registado focos de míldio, no geral as uvas apresentam um bom estado fitossanitário”.

“As condições climatéricas que se verificarem até à vindima, nomeadamente a ocorrência de ondas de calor, serão determinantes na quantidade e qualidade da colheita”, alerta o IVV.

Ler mais
Recomendadas

Estudo da Tetra Pak e da Universidade de Lund aponta quatro cenários para o futuro do setor dos laticínios

Um estudo, uma nova investigação desenvolvida pela Universidade de Lund (Faculdade de Economia e Gestão), na Suécia, concluiu que existem quatro cenários centrais para o futuro do setor dos lacticínios a nível europeu e mundial. Os quatro cenários em causa centram-se na evolução do setor, no segmento dos lacticínios ecológicos, nas tecnologias e processos inovadores […]

EDIA agrava prejuízos no primeiro semestre deste ano, para 9,6 milhões de euros

Nos primeiros seis meses deste ano, a EDIA foi responsável por um investimento global de 9,21 milhões de euros.

Uma barragem no Tejo e agricultura no mar. Conheça as ideias do presidente da CAP para garantir o futuro do setor em Portugal

“Temos aqui uma nova necessidade de olhar para uma outra reserva de água, estratégica, que poderá salvaguardar-nos o futuro de uma região vastíssima de Portugal, que é uma barragem na bacia do rio Tejo, que pode beneficiar Lisboa, inclusivamente em termos de assegurar o seu abastecimento de água, e que pode ser uma barreira à invasão de água salgada, que está a subir pelo Tejo, e a perigar os terrenos”, defende Eduardo Oliveira e Sousa.
Comentários