Produção industrial cai 4,8% em agosto

Em julho a variação havia sido de -2,4 pontos percentuais. Evolução foi influenciada em especial pelo agrupamento de Energia, sem o qual o índice agregado teve uma variação de -0,3%.

A produção industrial verificou, em agosto, uma variação homóloga de -4,8% [-2,4 pontos percentuais (p.p) em relação ao mês de julho], de acordo com os dados apresentados pelo Instituto Nacional de Estatística esta segunda-feira, 30 de setembro.

A evolução foi influenciada em especial pelo agrupamento de Energia, sem o qual o índice agregado teve uma variação de -0,3%. Este apresentou o contributo mais influente para a variação do índice agregado (-4,6 p.p.), derivado a uma taxa de variação de -22,2% (-11,4% em julho).

Já os Bens Intermédios e de Bens de Consumo tiveram também contributos negativos, de -0,8 p.p. e -0,4 p.p., respetivamente, verificados por variações homólogas de -2,4% e -1,2% (0,7% e -0,8% no mês anterior), respetivamente.

Apenas o setor dos Bens de Investimento, registou uma evolução positiva de 0,9 p.p., que passou de uma taxa de variação de -0,4%, no mês de julho, para os 6,2% em agosto.

Em termos de variação mensal a produção industrial registou uma variação mensal de -1,0% em agosto (4,6% em julho). O setor da Energia passou de uma variação mensal de 9,9%, em julho, para -12,0% em agosto, e contribuiu com -2,3 p.p. para a variação do índice total.

Já os Bens de Investimento tiveram um contributo positivo de 1,0 p.p., resultado de uma taxa de variação de 6,8% (1,4% em julho). Por sua vez, os Bens de Consumo registaram 0,2 p.p., originado por uma variação mensal de 0,7% (4,3% em julho).

Ler mais

Recomendadas

Subida do salário mínimo? “É prematuro assumir qualquer valor como definitivo”, diz Governo

A resposta surge depois de ser noticiado um eventual aumento de 40 euros. “A definição anual da atualização do SMN segue os procedimentos habituais, sendo objeto de discussão em sede de concertação social e com as estruturas sindicais”, explicam os ministérios das Finanças, Trabalho e Administração Pública.

PremiumJoão César das Neves: “Temos de pôr dinheiro no bolso das pessoas”

O economista César das Neves diz que o Plano de Recuperação é o “do costume”, dedicado a construção e burocracia, que se irá traduzir num “crescimento medíocre”. Defende a extensão das moratórias e alerta para o desafio da solvabilidade das empresas.

OMS denuncia desigualdades nas vacinas. Países ricos receberam 81% das doses (com áudio)

Enquanto que os países mais ricos já receberam mais de 80% das vacinas, os países com menores rendimentos só acumularam 0,3% das doses.
Comentários