Professores em desafios de autonomia

A rendibilização da autonomia escolar para o desenvolvimento humano depende de reflexão coletiva de qualidade, e esta de competências para a sua liderança distribuída.

Requisitos de competência para reflexão coletiva

O Decreto-Lei 55/2018 manifesta a vontade política de as escolas e os professores assumirem no terreno a responsabilidade de, nas suas margens de liberdade, cofabricarem autonomia de facto por via curricular, considerando que se trata de uma necessidade adaptativa para as especificidades dos alunos em contextos particulares e o desenvolvimento de competências para atuar num mundo em acelerada transformação.

Neste quadro, este diploma salienta muitas vertentes de ação que devem ser ponderadas e decididas entre dirigentes, professores, e, cito, “em diálogo com os alunos, as famílias e a comunidade”. Vertentes das quais, a título ilustrativo, saliento: gestão integrada do conhecimento, trabalho interdisciplinar, diversificação de procedimentos, adoção de diferentes formas de organização do trabalho escolar.

Donde se conclui que as escolas e os professores estão, pelo legislador, assumidamente em vasto processo de aprendizagem para resolver problemas que envolvem alteração de padrões de funcionamento organizativo e operacional no limite dos consensos emergentes e efetiváveis no tempo e com os recursos disponíveis.

Nuclear a este processo de mudança, encontramos como instrumento de produção, para o que aqueles atores entendam fazer, a capacidade para entre si gerarem inteligência sobre a determinação do que, e como, importa e é possível fazer. Ou seja, neste contexto a liderança aparece como dependente da capacidade de reflexão coletiva dos grupos/equipas.

Levanta-se então a questão neste domínio de em que medida temos no chão de escola: por um lado, as competências pessoais e coletivas, designadamente dos professores; e, por outro, os requisitos organizativos para o seu exercício.

Sucede que a reflexão coletiva está exposta a múltiplas disfunções bem conhecidas, entre outras: superficialidade e desarticulação no tratamento dos assuntos, escassez ou turbulência nas participações, competição entre os participantes.

E acontece que, sem preparação, o modo típico destes problemas serem enfrentados é: pela imposição de ordem, inibindo as participações; pela persuasão, anulando precocemente a sustentação da diversidade para aprofundamento das ideias e vontades; pela autoexclusão, desinvestindo da participação por convicção de a atividade ser improcedente; ou pela disputa, estabelecendo conflitos intcerpessoais/intragrupais, erodindo a coesão necessária para suportar as tensões próprias da prospeção social de possíveis.

A reflexão coletiva está exposta aos desafios da participação distribuída, da qual inexoravelmente depende. A verdade em grupo não é garantia de valor pelo que é importante estabelecer contraditório, ou seja, são necessários conflitos de tarefa (o que fazer) ou de processo (como fazer), sendo a regulação da controvérsia construtiva necessária e a competência para a estabelecer e levar a bom porto um desafio.

Somam-se requisitos chave como, por exemplo: contenção de palavra, escuta com sustentação de foco nos tópicos, cognição de segundo nível para deduzir ou explicitar implícitos, interrogação metódica para escrutinar o valor dos processos e dos resultados da reflexão…

A rendibilização da autonomia escolar para o desenvolvimento humano depende de reflexão coletiva de qualidade, e esta de competências para a sua liderança distribuída. Prevalecem as questões de em que medida estão os professores habilitados neste domínio, e, estando, poderem capitalizar as competências em horários que não estejam já desgastados.

Recomendadas

Soberanos do tempo (1)

Com o prolongamento do período de quarentena, a invisibilidade do medo pode tornar-se corrosiva e comprometer drasticamente o sentido de comunidade.

Resiliência e reinvenção em tempos de pandemia

Quem já lidera a transformação digital dá a mão a quem, mais do que nunca, precisa agora de se reinventar. E os muitos exemplos empresariais mostram a união de esforços para um bem comum.

A banca é decisiva para salvar Portugal da crise, mas haverá coragem para isso?

A crise económica causada pela Covid-19 é a oportunidade de ouro para o setor financeiro se redimir dos escândalos da última década e para demonstrar por que razão deve ser resgatado pelos contribuintes, quando necessário. Uma forma de o fazer seria através de créditos a custo zero para empresas em dificuldades, com garantia estatal e a possibilidade de se transformarem em financiamentos a fundo perdido, como sugere Draghi.
Comentários