Profissionais de saúde para as brigadas de intervenção rápida nos lares ainda estão a ser recrutados

Ana Mendes Godinho garantiu no Parlamento que as equipas médicas destinadas a responder a situações de emergência em lares estarão a funcionar até ao final deste mês. No entanto, ainda decorre o recrutamento de profissionais de saúde para a iniciativa coordenada pela Cruz Vermelha Portuguesa e pelo Instituto de Segurança Social.

O processo de recrutamento dos 400 profissionais destinados às brigadas de intervenção rápida para dar resposta a surtos de Covid-19 em lares de terceira idade ainda está a decorrer, com as entidades que estão a colaborar com a Cruz Vermelha Portuguesa a prepararem-se a lançarem apelos a profissionais para garantirem aquilo que a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, descreveu na Assembleia da República nesta quarta-feira como a “garantia de capacidade de resposta 24 horas por dia”.

Na audição conjunta em que respondeu, tal como a ministra da Saúde, Marta Temido, a perguntas dos deputados das comissões parlamentares de Saúde e de Trabalho e Segurança Social, Ana Mendes Godinho disse que as 18 brigadas de intervenção rápida que estão a ser “preparadas e operacionalizadas pela Cruz Vermelha Portuguesa” estarão prontas até ao final deste mês.

No entanto, ao que o Jornal Económico apurou haverá ainda falta de profissionais para integrar as equipas que estão a ser preparadas na sequência de um protocolo assinado entre o Instituto de Segurança Social e a Cruz Vermelha Portuguesa, o que já levou a apelos para que profissionais de saúde que se encontrem desempregados enviem candidaturas.

As brigadas de intervenção rápida estão a ser apresentadas como equipas de profissionais, incluindo médicos, enfermeiros, psicólogos, auxiliares de ação direta e auxiliares de serviços gerais, “que têm por missão contribuir de forma rápida para a prevenção, minimização e combate a surtos de Covid-19 em equipamentos sociais de acolhimento de pessoas em situação de vulnerabilidade ou dependência”.

A constituição e gestão dessas brigadas será assegurada pela Cruz Vermelha Portuguesa, em articulação com o Instituto de Segurança Social (ISS), ao qual cabe sinalizar prioridades de intervenção nos lares de terceira idade. “Sempre que não estiverem acionadas em contexto de emergência, as brigadas deverão estar no terreno em instituições sinalizadas pelo ISS ou em ações formativas”, ressalva-se.

Recomendadas

UGT desiludida com chumbo que compromete medidas positivas para trabalhadores

O sindicalista considerou que a proposta de OE2022 “não era o OE desejável, era pouco ambicioso, mas continha alguns avanços importantes”, como o crescimento do salário mínimo até 2025 , o aumento das pensões, a melhoria da fiscalidade e algumas alterações à legislação laboral, nomeadamente a reposição do valor das horas extraordinárias e o aumento do valor das indemnizações por despedimento.

CGTP diz que chumbo do OE2022 deve-se a falta de vontade política do Governo

Para a CGTP a proposta do Governo não promovia o necessário crescimento dos salários e pensões, nem maior justiça fiscal, não acabava com a precariedade laboral, nem travava a destruição de postos de trabalho por grandes grupos empresariais, nem sequer promovia contratação coletiva.

Duodécimos limitam execução mensal até à entrada em vigor de novo orçamento

“Durante o período transitório em que se mantiver a prorrogação de vigência da lei do Orçamento do Estado respeitante ao ano anterior, a execução mensal dos programas em curso não pode exceder o duodécimo da despesa total da missão de base orgânica”, pode ler-se na lei de Enquadramento Orçamental atualmente em vigor.
Comentários