Profissionais do SNS têm 17 milhões de horas extra acumuladas

De acordo com o “JN”, os médicos, enfermeiros e assistentes operacionais fizeram entre de janeiro e outubro mais de 17 milhões de horas extra, o que representa uma aumento de seis milhões em relação a 2019.

Os profissionais de saúde acumularam, até setembro, mais de 17 milhões de horas extraordinárias de acordo com uma notícia avançada, este domingo, pelo “Jornal de Notícias” onde são citados dados do portal do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Segundo a publicação, médicos, enfermeiros e assistentes operacionais queixam-se de exaustão física e psicológica que foi impulsionada graças à pandemia da Covid-19 que registou o primeiro caso confirmado em março de 2020. De acordo os dados do portal do SNS, as ausências por doença aumentaram 44% este ano. Médicos, enfermeiros e auxiliares estiveram de baixa 634.000 dias.

De acordo com o “JN”, os médicos, enfermeiros e assistentes operacionais fizeram entre de janeiro e outubro mais de 17 milhões de horas extra, o que representa uma aumento de seis milhões em relação a 2019.

Horas extra deveria implicar descanso extra, mas ninguém sabe se poderá vir a gozá-lo. Entre janeiro e setembro, os profissionais de saúde gozaram pouco mais de 6.600 dias de férias, ou seja, menos de metade do que em igual período de 2019.

Recomendadas

Covid-19. África do Sul ultrapassa três milhões de infeções

A África do Sul, que detetou a nova variante Ómicron e está a entrar na quarta vaga da pandemia, com um aumento exponencial de novas infeções, ultrapassou esta sexta-feira os três milhões de infeções pelo coronavírus SARS-CoV-2, segundo números oficiais.

Portugal regista mais 2.535 casos positivos e 21 mortes por Covid-19

Nas últimas 24 horas, foram retiradas 14 pessoas em enfermaria, para um total de 902. Nos cuidados intensivos foi colocado mais um doente (129 no total).

OMS diz que medidas aplicadas para travar variante Delta devem funcionar com Ómicron

O diretor regional da OMS para o Pacífico Ocidental alertou ainda que “enquanto a transmissão continuar, o vírus pode continuar a sofrer mutações”.
Comentários