Programa Carnegie Mellon Portugal lança 12 bolsas para doutoramentos em TIC

As candidaturas decorrem até final de dezembro em sete áreas: Robótica, Interação Pessoa-Máquina, Informática, Engenharia Eletrotécnica e de Computadores, Engenharia de Software, Engenharia de Políticas Públicas e Tecnologias de Língua Falada.

Estão abertas até final de dezembro, as candidaturas para 12 bolsas de doutoramento de grau dual através do Programa Carnegie Mellon Portugal (CMU Portugal) e financiadas pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia.

As bolsas destinam-se à área das Tecnologias de Informação e Comunicação, sendo sete os doutoramentos com candidaturas abertas para o ano 2021/2022: Robótica, Interação Pessoa-Máquina, Informática, Engenharia Eletrotécnica e de Computadores, Engenharia de Software, Engenharia de Políticas Públicas e Tecnologias de Língua Falada.

O prazo para a submissão de candidaturas varia consoante as áreas de investigação a concurso: 10 de dezembro para Informática, Robótica, Interação Pessoa-Máquina, Tecnologias da Língua Falada; dia 15 para Engenharia e Políticas Públicas e 31 de dezembro para Engenharia Eletrotécnica e de Computadores.

Os doutoramentos do CMU Portugal conferem no final do curso dois diplomas: um pela norte-americana Carnegie Mellon University e outro pela Universidade Portuguesa parceira, no que é um formato único em Portugal. As parceiras são as Universidades públicas de Aveiro, Coimbra, Lisboa, Nova de Lisboa, Minho, Porto e a Universidade Católica.

As bolsas contemplam o pagamento integral das propinas tanto na CMU como em Portugal, assim como um subsídio mensal durante o período da bolsa. A duração é de cinco anos, sendo renovada anualmente, dos quais três anos serão passados em Portugal e dois anos nos Estados Unidos. Os cursos são totalmente lecionados em inglês, tanto na América como cá.

O programa quer aumentar o número de candidatos, o que exige uma forte aposta na preparação das candidaturas. “Para entrar no Programa os alunos têm de ser admitidos na Carnegie Mellon como um aluno regular, ou seja, competem com alguns dos melhores alunos do mundo na área das TIC para entrar numa das mais prestigiadas Universidades norte-americanas. Para que tal aconteça temos realizado sessões de esclarecimento e apostado num contacto de proximidade com professores e alunos de forma a aumentar a qualidade das candidaturas” explica Rodrigo Rodrigues, codiretor do CMU Portugal.

Após a sua admissão na Carnegie Mellon, os alunos volta, a ser avaliados por um Comité do Programa CMU Portugal para receberem uma das 12 bolsas disponíveis. “É um processo muito seletivo, na realidade é como se fossem avaliados duas vezes. A verdade é que não é fácil ser aceite, mas a partir do momento em que entram vão beneficiar de condições únicas. Para além de receberem uma bolsa que suporta os estudos tanto em Portugal como na CMU, vão fazer parte de uma experiência exclusiva que lhes abrirá as portas para trabalhar num sector cada vez mais atrativo e competitivo” explica Nuno Nunes, o outro diretor do Programa.

Entraram já neste programa 125 estudantes de Portugal, dos quais 78 obtiveram o grau dual.

Ler mais
Recomendadas

Torres Vedras vai ter ensino superior em saúde. Polo abre no próximo ano com mestrado em Enfermagem Médico-cirúrgica

O antigo edifício dos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento da cidade torreense vai albergar o novo polo do IPLeiria, considerado de grande importância para a escolha da localização do futuro Hospital do Oeste.

Colégios privados reservam-se ao direito de darem aulas online durante pontes dos feriados

A Associação de Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo (AEEP) emitiu um comunicado a esclarecer que os colégios privados estão no seu direito de darem aulas online nos dias que antecedem os feriados, apesar da proibição das escolas abrirem fisicamente.

UAveiro impulsiona mudança de hábitos e distribui 239 bicicletas a alunos, professores e funcionários

O projeto, pioneiro em Portugal, é lançado esta segunda-feira, 23 de novembro, e, segundo o reitor Paulo Jorge Ferreira, permite que se façam menos 16 mil quilómetros de carro. Um contributo para um ar mais limpo.
Comentários