Programa “menos” ajuda desempregados a criar micronegócios

A ‘empresa social’ convida empreendedores desempregados, inscritos no IEFP, a juntar-se aos vários programas de aceleração que decorrem nos próximos meses, cada um com a duração de duas semanas. Mentores também são bem vindos.

“Menos é mais”, acredita o fundador do programa de impacto social “menos”, inspirando-se no poeta oitocentista britânico Robert Browning. A ‘empresa social’ está a preparar a rentrée e a convidar empreendedores desempregados, inscritos no Instituto de Formação Profissional e Emprego (IEFP), a juntar-se aos vários programas de aceleração que decorrem nos próximos meses, cada um com a duração de duas semanas, em sessões diárias de três horas.

O menos aplica metodologias utilizadas nas startups de alta tecnologia aos micronegócios – como o “Lean”, ou seja, testar a ideia de negócio antes da sua implantação e ter presente a ideia de que qualquer pessoa pode iniciar um negócio. A iniciativa tem o objetivo de usar o empreendedorismo para combater o desemprego, ligar empreendedores a mentores e oferecer tecnologia e eventos. Depois da aceleração, o menos organiza um trade show onde os inovadores têm a oportunidade de mostrar ao público em que consistirão os seus negócios e fazer um pitch.

Criado no âmbito do WACT- We Are Changing Together, por João Duarte, este programa já ajudou a estruturar 35 negócios – alguns dos quais ainda se mantêm ativos, como a Bloom [meditação corporate], o Descanso dos Donos [apoio domiciliário a animais de estimação] ou a Biblioteca com História [biblioteca para todos].

“Com as ferramentas que a internet oferece, podemos fazer quase tudo sem custo, e é cada vez mais fácil chegar a mais pessoas. A começar com 100 dólares não significa que não se invista grandes quantias no futuro, apenas demonstra que para começar não é preciso muito”, afirma o fundador.

João Duarte, que trabalhou e estudou na Dinamarca, na Holanda e na Índia, acrescenta ainda: “Passar de uma ideia de negócio para produto de mercado em menos de um mês por menos cem euros é o lema dos nossos programas de aceleração, sempre com a preocupação de testar a ideia antes de implementá-la”.

Recomendadas

Atenção à sua smart TV. Televisões inteligentes enviam dados privados para Netflix e Facebook

A Amazon, Google, Akamai e Microsoft foram as empresas mais contactadas por parte das smart TV. A Universidade de Northeastern conduziu o estudo em 81 aparelhos distintos e encontrou “casos notáveis de exposição de informação” privada.

Nova Iorque suspende venda de cigarros eletrónicos com sabor

A venda destes produtos está proibida por 90 dias e serve como uma lei de emergência até os EUA chegarem a um consenso político sobre o passo a seguir.

Empresas de pirotecnia acusam Governo de “perseguição absurda e infundada”

Críticas surgem depois da tutela ter emitido despachos que proíbem o lançamento de fogo de artifício durante vários dias em diversos distritos devido ao alerta vermelho da Proteção Civil para risco de incêndio.
Comentários