Programa “menos” ajuda desempregados a criar micronegócios

A ‘empresa social’ convida empreendedores desempregados, inscritos no IEFP, a juntar-se aos vários programas de aceleração que decorrem nos próximos meses, cada um com a duração de duas semanas. Mentores também são bem vindos.

“Menos é mais”, acredita o fundador do programa de impacto social “menos”, inspirando-se no poeta oitocentista britânico Robert Browning. A ‘empresa social’ está a preparar a rentrée e a convidar empreendedores desempregados, inscritos no Instituto de Formação Profissional e Emprego (IEFP), a juntar-se aos vários programas de aceleração que decorrem nos próximos meses, cada um com a duração de duas semanas, em sessões diárias de três horas.

O menos aplica metodologias utilizadas nas startups de alta tecnologia aos micronegócios – como o “Lean”, ou seja, testar a ideia de negócio antes da sua implantação e ter presente a ideia de que qualquer pessoa pode iniciar um negócio. A iniciativa tem o objetivo de usar o empreendedorismo para combater o desemprego, ligar empreendedores a mentores e oferecer tecnologia e eventos. Depois da aceleração, o menos organiza um trade show onde os inovadores têm a oportunidade de mostrar ao público em que consistirão os seus negócios e fazer um pitch.

Criado no âmbito do WACT- We Are Changing Together, por João Duarte, este programa já ajudou a estruturar 35 negócios – alguns dos quais ainda se mantêm ativos, como a Bloom [meditação corporate], o Descanso dos Donos [apoio domiciliário a animais de estimação] ou a Biblioteca com História [biblioteca para todos].

“Com as ferramentas que a internet oferece, podemos fazer quase tudo sem custo, e é cada vez mais fácil chegar a mais pessoas. A começar com 100 dólares não significa que não se invista grandes quantias no futuro, apenas demonstra que para começar não é preciso muito”, afirma o fundador.

João Duarte, que trabalhou e estudou na Dinamarca, na Holanda e na Índia, acrescenta ainda: “Passar de uma ideia de negócio para produto de mercado em menos de um mês por menos cem euros é o lema dos nossos programas de aceleração, sempre com a preocupação de testar a ideia antes de implementá-la”.

Recomendadas

“Mobilidade elétrica tem um argumento de força: a urgência da descarbonização”, defendem especialistas na “Portugal Smart Cities Summit 2020”

Uma das provas da relevância da mobilidade elétrica está refletida nos números das vendas de automóveis elétricos: “2,3 milhões de vendas até ao final deste ano” deste tipo de veículo, segundo Ryan Fisher da BloombergNEF.

Efacec confirma saída de Rui Lopes da administração e Comissão Executiva

“Esta saída em nada altera o foco da liderança da empresa, que prossegue a sua estratégia e compromisso para a entrega de resultados e para a consolidação do valor económico-social da Efacec em Portugal e no mundo”, afirmou, em resposta à Lusa, fonte oficial da Efacec.

Sindicatos bancários alertam Banco Montepio de que não vão tolerar pressões aos trabalhadores

“O SNQTB, SBN e SIB irão analisar com detalhe o plano apresentado pelo presidente da Comissão Executiva do Banco Montepio e alertam que não irão tolerar qualquer forma de pressão junto dos trabalhadores para que aceitem reformas antecipadas ou rescisões por mútuo acordo, se essa não for a sua livre vontade”, pode ler-se no comunicado.
Comentários