Programa “menos” ajuda desempregados a criar micronegócios

A ‘empresa social’ convida empreendedores desempregados, inscritos no IEFP, a juntar-se aos vários programas de aceleração que decorrem nos próximos meses, cada um com a duração de duas semanas. Mentores também são bem vindos.

“Menos é mais”, acredita o fundador do programa de impacto social “menos”, inspirando-se no poeta oitocentista britânico Robert Browning. A ‘empresa social’ está a preparar a rentrée e a convidar empreendedores desempregados, inscritos no Instituto de Formação Profissional e Emprego (IEFP), a juntar-se aos vários programas de aceleração que decorrem nos próximos meses, cada um com a duração de duas semanas, em sessões diárias de três horas.

O menos aplica metodologias utilizadas nas startups de alta tecnologia aos micronegócios – como o “Lean”, ou seja, testar a ideia de negócio antes da sua implantação e ter presente a ideia de que qualquer pessoa pode iniciar um negócio. A iniciativa tem o objetivo de usar o empreendedorismo para combater o desemprego, ligar empreendedores a mentores e oferecer tecnologia e eventos. Depois da aceleração, o menos organiza um trade show onde os inovadores têm a oportunidade de mostrar ao público em que consistirão os seus negócios e fazer um pitch.

Criado no âmbito do WACT- We Are Changing Together, por João Duarte, este programa já ajudou a estruturar 35 negócios – alguns dos quais ainda se mantêm ativos, como a Bloom [meditação corporate], o Descanso dos Donos [apoio domiciliário a animais de estimação] ou a Biblioteca com História [biblioteca para todos].

“Com as ferramentas que a internet oferece, podemos fazer quase tudo sem custo, e é cada vez mais fácil chegar a mais pessoas. A começar com 100 dólares não significa que não se invista grandes quantias no futuro, apenas demonstra que para começar não é preciso muito”, afirma o fundador.

João Duarte, que trabalhou e estudou na Dinamarca, na Holanda e na Índia, acrescenta ainda: “Passar de uma ideia de negócio para produto de mercado em menos de um mês por menos cem euros é o lema dos nossos programas de aceleração, sempre com a preocupação de testar a ideia antes de implementá-la”.

Recomendadas

Pandemia foi “catastrófica” para sector dos casamentos mas perspetiva é de retoma plena em 2022

Se o sector pensava que em 2021 teria um descanso face ao ano pandémico enganou-se dado que em janeiro do presente ano a economia voltou a ficar suspensa. “Na verdade, entre 2020 e 2021, foram praticamente 18 meses em que esta indústria esteve quase sempre parada, não digo 100% mas 80% em que não se verificou atividade”, refere o diretor-geral da ExpoNoivos.

Brisa selecionada operadora de autoestradas mais sustentável da Europa em 2021

Concessionária escolhida pela terceira vez no “Global Real Estate Sustainability Benchmark” da holandesa GRESB.

Entra hoje em vigor: descida de dois cêntimos no ISP da gasolina e de um cêntimo no ISP do gasóleo

No total, está prevista a devolução de 90 milhões de euros de receita de IVA aos consumidores. A questão agora é saber se as petrolíferas e gasolineiras vão repercutir este alívio no preço dos combustíveis na bomba.
Comentários