Programa “menos” ajuda desempregados a criar micronegócios

A ‘empresa social’ convida empreendedores desempregados, inscritos no IEFP, a juntar-se aos vários programas de aceleração que decorrem nos próximos meses, cada um com a duração de duas semanas. Mentores também são bem vindos.

“Menos é mais”, acredita o fundador do programa de impacto social “menos”, inspirando-se no poeta oitocentista britânico Robert Browning. A ‘empresa social’ está a preparar a rentrée e a convidar empreendedores desempregados, inscritos no Instituto de Formação Profissional e Emprego (IEFP), a juntar-se aos vários programas de aceleração que decorrem nos próximos meses, cada um com a duração de duas semanas, em sessões diárias de três horas.

O menos aplica metodologias utilizadas nas startups de alta tecnologia aos micronegócios – como o “Lean”, ou seja, testar a ideia de negócio antes da sua implantação e ter presente a ideia de que qualquer pessoa pode iniciar um negócio. A iniciativa tem o objetivo de usar o empreendedorismo para combater o desemprego, ligar empreendedores a mentores e oferecer tecnologia e eventos. Depois da aceleração, o menos organiza um trade show onde os inovadores têm a oportunidade de mostrar ao público em que consistirão os seus negócios e fazer um pitch.

Criado no âmbito do WACT- We Are Changing Together, por João Duarte, este programa já ajudou a estruturar 35 negócios – alguns dos quais ainda se mantêm ativos, como a Bloom [meditação corporate], o Descanso dos Donos [apoio domiciliário a animais de estimação] ou a Biblioteca com História [biblioteca para todos].

“Com as ferramentas que a internet oferece, podemos fazer quase tudo sem custo, e é cada vez mais fácil chegar a mais pessoas. A começar com 100 dólares não significa que não se invista grandes quantias no futuro, apenas demonstra que para começar não é preciso muito”, afirma o fundador.

João Duarte, que trabalhou e estudou na Dinamarca, na Holanda e na Índia, acrescenta ainda: “Passar de uma ideia de negócio para produto de mercado em menos de um mês por menos cem euros é o lema dos nossos programas de aceleração, sempre com a preocupação de testar a ideia antes de implementá-la”.

Recomendadas

Covid-19: ‘Chef’ Vítor Sobral vai “acender uma velinha a Nossa Senhora de Fátima” para pagar salários

O Grupo Quina emprega cerca de 120 funcionários. Dois restaurantes foram encerrados, outros dois estão a funcionar em regime de ‘take away’, assim como as padarias. Vítor Sobral garante salários neste mês de março, mas não sabe como será no mês de abril.

Novo Banco vende “Rei dos Cogumelos” em plena crise

O Novo Banco, maior credor do grupo Sousacamp, com 49% dos créditos, acordou a venda do maior produtor ibérico de cogumelos ao Core Capital.

Covid-19: Kaeser garante assistência a equipamentos de ar comprimido de hospitais e da indústria

Além de cerca de três mil empresas do setor industrial, em Portugal a Kaeser trabalha com hospitais como o Grupo Trofa Saúde, Hospital Santo António, Hospital de Braga, Hospital de Santa Maria, Hospital de Gaia, Hospitais de Coimbra, Hospitais Lusíadas e Fundação Champalimaud.
Comentários