Projeto com potencial para revolucionar medicina dá prémio a investigadora do Técnico

Marija Vranic recebe esta quarta-feira à tarde o Prémio Científico IBM, numa cerimónia em que pontificam o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa, e o ministro da Ciência, Manuel Heitor.

Marija Vranic usou os supercomputadores mais potentes do mundo para abordar o estudo dos efeitos de feixes laser de alta densidade energética e as suas aplicações em campos como a medicina, podendo levar à construção de fontes compactas de partículas e de radiação de raios-X e raios-gama.

Estas fontes podem ser usadas para examinar materiais industriais, fazer imagens médicas de contraste elevado e podem até ter potencial para revolucionar áreas de terapia na saúde.

O trabalho de Marija Vranic, doutorada no Instituto Superior Técnico em Lisboa na área da interação dos lasers ultra-intensos com plasmas, valeu-lhe o Prémio Científico IBM, que lhe é entregue esta quarta-feira, dia 16 de janeiro, à tarde numa cerimónia que conta com a presença do Presidente da República, do ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, do presidente do IST, e do presidente da IBM.

“Este trabalho, que me permite conciliar a minha paixão pela Programação, Física e Matemática, é desenvolvido ao nível da computação de alto desempenho associado à tecnologia laser e vai possibilitar que surjam novidades para fins industriais e aplicações médicas”, explica a investigadora.

O Prémio Científico IBM, que já vai na 28.ª edição, distingue anualmente trabalhos de “elevado mérito científico no campo da computação e das novas tecnologias”, estimulando jovens cientistas a divulgarem as suas investigações.

O júri é constituído por um grupo de cientistas e académicos, de diferentes áreas e com grande prestígio internacional, que distingue o trabalho mais original e com maior potencial para impactar a investigação científica aplicada ao mundo real e contribuir para projetar o futuro da ciência e da inovação em Portugal.

 

Ler mais
Recomendadas

Alunos consideram estacionamentos das universidades de Lisboa inseguros

Entre os inquiridos, 56,58% já se sentiu inseguro no percurso para a instituição de ensino superior ou para casa, e 40,8% já foi abordado na paragem de autocarro ou metro e sentiu medo.

Nova, ISCTE, Porto e Católica entre as melhores escolas de negócios europeias

Quatro business schools portuguesas integram o ranking global de 2019 do Financial Times que avalia as melhores escolas de gestão do continente. A número um é a francesa HEC Paris.

Como trabalhar na Huawei mudou a vida deles

No início da sua instalação em Portugal há 15 anos, o gigante chinês não empregava mais de 30 pessoas. Hoje são 120. Três engenheiros explicam o que os atrai na empresa.
Comentários