Prolongado regime especial para pagamento de seguros

Este regime, que permite alterações aos pagamentos mas também o alargamento de seguros obrigatórios, foi alargado pelo Governo, tal como foi estendido o prazo das moratórias, até 30 de setembro de 2021.

O Governo anunciou, após reunião do Conselho de Ministros, esta quinta-feira, que aprovou a prorrogação do regime excecional e temporário relativo aos contratos de seguro.

Este regime, que permite alterações aos pagamentos mas também o alargamento de seguros obrigatórios, foi alargado pelo Governo, tal como foi estendido o prazo das moratórias, até 30 de setembro de 2021.

No início de agosto, a Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões divulgou que, de acordo com a análise da informação reportada pelas empresas de seguros relativamente ao período de 13 de maio de 2020 a 30 de junho de 2020 constatou, cerca de 1,3 milhões de contratos foram objeto de acordo entre as partes com vista à aplicação de um regime mais favorável ao tomador do seguro no que diz respeito ao pagamento dos prémios.

No universo destes contratos acordados entre as partes, a maior parte pertence ao âmbito dos seguros Automóvel, no total de 660 mil contratos, e de Doença, com 400 mil contratos.

Além disso, em aproximadamente 3,3 milhões de apólices – em que a maioria dos seguros pertence ao ramo Automóvel, com 1,9 milhões de apólices, e aos contratos com cobertura de Incêndios e outros danos, onde figuram 1,2 milhões de apólices – a validade das respetivas coberturas obrigatórias foi prolongada 60 dias, refere a ASF a propósito da avaliação das medidas previstas no Decreto-Lei n.º 20-F/2020, de 12 de maio, que estabeleceu um regime excecional e temporário para os contratos de seguro, respondendo assim aos problemas decorrentes da pandemia da Covid-19.

Relacionadas

Créditos bancários atingidos pelas moratórias perfazem 35 mil milhões de euros

Na conferência de imprensa em que o Governo divulgou uma extensão das moratórias até 30 de setembro de 2021, Pedro Siza Vieira esclareceu o montante das obrigações de capital e juros suspensos até 31 de março de 2021 envolve um montante de 10 mil milhões de euros.

Empresas que distribuam lucros perdem direito a apoios

A “distribuição de lucros, sob qualquer forma, o reembolso de créditos aos sócios e a aquisição de ações ou quotas próprias” determina o fim dos apoios no âmbito da pandemia Covid-19, decidiu hoje o Governo.

Estado de Contingência alargado até 14 de outubro

O Estado de Contingência atual terminaria no final de setembro, indo agora durar mais 15 dias.

Governo prolonga prazos de moratórias até 30 de setembro de 2021

“Setores ligados a alojamento, transportes turísticos estão a ser muito afetados, impacto está a ser muito mais drástico e por isso quisemos beneficiar as empresas destes setores”, esclareceu o ministro da Economia.
Recomendadas

BCP quer preservar capital e crescer organicamente mas estudará aquisições

“O que me preocupa é a rentabilidade do sistema financeiro português e os custos de contexto, porque numa eventualidade de a banca precisar de capital, com rentabilidades muito baixas é muito mais difícil obter capital no mercado”, referiu o presidente do BCP.

BCP deu 125 mil moratórias num montante total de 8,9 mil milhões

Pelo banco foram concedidas 101.114 mil operações a particulares no valor de 4,2 mil milhões de euros. Deste montante, 91% diz respeito a crédito à habitação. Em relação às empresas, o banco deu 23.909 mil moratórias no valor de 4,7 mil milhões de euros, do qual 88% corresponde a crédito performing.
Miguel Maya

BCP regista menos valias com vendas de imóveis de 3 milhões nos nove meses

O banco vendeu nos nove meses 1.500 imóveis, dos quais 500 no trimestre. O BCP encaixou 172 milhões de euros em imóveis, com menos valia de 3 milhões face ao valor líquido de imparidades.
Comentários