Artur Varum, o promotor de Aveiro que nunca desistiu da construção nova

Com muitos anos de investimento no mercado imobiliário, sobretudo a Norte do país, a Civilria nunca deixou de apostar na construção nova.

Em Aveiro, no Porto e agora em Lisboa, Artur Varum, presidente da Civilria, é um dos promotores que se manteve ativo mesmo durante a crise. Tem no seu portfólio alguns dos empreendimentos de maior qualidade do País, entre o Antas Premiére, mesmo ao lado do Estádio do Dragão, no Porto, o Lake I e II e o Mirador em Aveiro, o UNO al Mar, em Vila Nova de Gaia e muito outros que primam pela arquitetura moderna. Um investidor que está na frente do ‘pelotão’ quando agora se pede construção nova. Artur Varum, reconhece que a Civilria vai dando o seu contributo com nova oferta. “De facto na pós-crise começámos primeiro. Em 2013 estávamos a lançar empreendimentos novos, praticamente nunca paramos o que foi uma vantagem”.

O sucesso é evidente nestes projetos já que no setor residencial,  está praticamente vendido tudo que esta em obra.

O responsável adianta ainda que curiosamente e contra as expectativas iniciais, Lisboa está a vender-se a clientes nacionais, assim como em Aveiro, no Porto, nas praias de Gaia têm muitos brasileiros como clientes.

Sobre o que diferencia o mercado do norte e do sul, Artur Varum  esclarece que são “claramente os factores de produção, o licenciamento e a abordagem camarária ao investimento também difere muito de câmara para câmara. E aqui não estou a falar de Norte/Sul, mas de municípios vizinhos”, admite o presidente da Civilria.

Recomendadas

CCB espera escolher e fazer contrato ainda este ano para hotel e zona comercial

Em causa está a análise da única proposta candidata ao projeto, apresentada pela construtora Mota-Engil, e a comissão criada para o efeito terá ainda de avaliar se são cumpridos todos os requisitos do caderno de encargos.

Premium“A classe média ainda não pode viver em Lisboa”

CEO e fundador da Essentia explica que, apesar de existir uma estabilização dos preços no mercado da reabilitação urbana, os portugueses que chegam ao centro histórico da cidade pertencem à “classe média alta e alta”.

Operadores do alojamento local em Lisboa ponderam “migrar” para arrendamento habitacional

No seu entender, a transição destes estabelecimentos para o arrendamento permanente “é uma oportunidade enorme” para fazer aumentar a oferta de habitação.
Comentários