Promotor imobiliário indiano vai investir 150 milhões de euros em Portugal

O grupo Sugee é o primeiro de origem indiana a chegar ao mercado imobiliário português e conta já com dois projetos em fase de desenvolvimento em Lisboa.

O grupo Sugee pretende investir 150 milhões de euros no mercado imobiliário português nos próximos anos. Trata-se do primeiro promotor indiano a atuar em Portugal, onde chegou  em março de 2019 e no final do ano, já estava a arrancar com dois projetos em Lisboa, revela em comunicado esta quinta-feira, 3 de dezembro.

Os dois projetos em causa são a reabilitação de um edifício do séc. XIX no Príncipe Real, designado como “Royal 20”, com nove frações de tipologia T1, direcionado para a captação de investidores Visto Gold e cuja conclusão está prevista para fevereiro de 2021.

O segundo, a construir, de raiz, é o ‘Alcântara Vista’, um projeto residencial familiar virado para o mercado nacional, estando o arranque da construção previsto para o início de 2021. Estes dois projetos contam com um investimento total de 6,5 milhões de euros.

Os responsáveis do Sugee consideram Lisboa como “um dos mercados imobiliários mais promissores de toda a Europa, tal como o referem as recentes tendências e projeções de especialistas”. O grupo assume ter vindo para ficar e conta já com a sua sede em Lisboa, estando focado na construção e promoção de imóveis residenciais e comerciais e gestão de ativos imobiliários através da venda, compra, arrendamento e aquisição.

“Identificámos várias cidades estratégicas com potencial para bons retornos sobre o investimento imobiliário e esperamos desenvolver cerca de 50 mil metros quadrados de promoção nos próximos anos, podendo alguns desses projetos destinar-se ao mercado de arrendamento de média/longa duração para a classe média portuguesa”, explicam os responsáveis do grupo Sugee.

Recomendadas

Iniciativa Liberal quer reduzir coeficiente fiscal para 35% no alojamento local

Projeto de lei pretende fazer a tributação desses rendimentos reverter à situação anterior a 2020. Liberais defendem que a medida ajudará a recuperar parte do turismo e terminará a “asfixia fiscal” dos proprietários de estabelecimentos em áreas de contenção.

Preço das casas em Portugal cresceu 5,8% nos últimos doze meses

A cidade onde é mais caro adquirir um imóvel também continua a ser Lisboa (4.773 euros por metro quadrado). Seguem-se as cidades do Porto (2.978 euros por metro quadrado) e Funchal (1.991 euros por metro quadrado). Portalegre e Guarda são as cidades mais baratas, com o preço do metro quadrado abaixo dos 700 euros, segundo uma análise do Idealista.

BCP vende terrenos com 60 mil metros quadrados em Miraflores (com áudio)

Dos lotes detidos pelo BCP no loteamento Parque dos Cisnes falta vender apenas um, que tem um potencial de “edificabilidade de 13.198 metros quadrados”.
Comentários