Protestos em Hong Kong podem atrasar entrada da Alibaba na bolsa asiática

A empresa chinesa prepara-se para lançar o maior IPO de 2019 ainda no terceiro trimestre do ano, mas os protestos em Hong Kong estarão a fazer com que o grupo cotado em Wall Street pondere outra data, segundo fontes da Reuters.

Chance Chan / Reuters

O grupo Alibaba está com dúvidas sobre a data da sua chegada à bolsa asiática devido à agitação política em Hong Kong, de acordo com as informações obtidas pela “Reuters”. A oferta pública inicial (IPO, na sigla inglesa) da gigante do e-commerce está prevista para se realizar ainda durante o terceiro trimestre de 2019, mas os confrontos na cidade terão feito com que a empresa organizasse outros cronogramas.

A retalhista online chinesa, cotada em Wall Street, entregou a documentação necessária para a entrada na bolsa asiática em meados de junho e pretende angariar até 20 mil milhões de dólares (cerca de 18 mil milhões de euros) com a operação. A multinacional fundada por Jack Ma encerrou a sessão de sexta-feira em Nasdaq com um disparo de 4,67%, para 174,76 dólares.

As fontes ouvidas pela mesma agência noticiosa adiantam este deverá ser o maior IPO do ano, sendo que até os bancos de investimento que estão a assessorar financeiramente outras grandes entradas na bolsa de Hong Kong têm tido mais cuidado no planeamento das suas operações neste período.

Mais de 100 mil pessoas estão este domingo em Hong Kong nos protestos pacíficos pró-democracia, depois de 10 semanas em que ativistas e autoridades policiais se confrontaram de forma violenta. As manifestações, que se fizeram ecoar em todo o mundo e mereceram a comparação da China a terrorismo, foram convocadas na sequência de uma lei de extradição, entretanto suspensa pelo governo local.

Ler mais

Recomendadas

Epson Europa vê Portugal como “mercado totalmente estratégico”

Raúl Sanahuja, responsável de Relações Públicas e Comunicação da Epson, considera que as empresas portuguesas são mais “ousadas” e “lançadas” na integração de tecnologia de impressão.

“Problemas no setor de aviação convertem-se em oportunidades”, considera CEO da EuroAtlantic

Quais os grandes desafios que o setor da aviação vai ter que ultrapassar? Eugénio Fernandes, CEO da EuroAtlantic, esclarece que a empresa funciona em contraciclo com o mercado e que os problemas no setor convertem-se em oportunidades. Quanto aos problemas, este responsável aponta a falta de pessoal como questão a ultrapassar.

PremiumPartner da Peugeot lidera vendas nacionais da marca

Jean-Philippe Imparato explicou ao Jornal Económico a evolução global da marca no ano passado, com uma quebra de 8,8% registada nas suas vendas mundiais (excluído o mercado do Irão).
Comentários