Protestos em Hong Kong podem atrasar entrada da Alibaba na bolsa asiática

A empresa chinesa prepara-se para lançar o maior IPO de 2019 ainda no terceiro trimestre do ano, mas os protestos em Hong Kong estarão a fazer com que o grupo cotado em Wall Street pondere outra data, segundo fontes da Reuters.

Chance Chan / Reuters

O grupo Alibaba está com dúvidas sobre a data da sua chegada à bolsa asiática devido à agitação política em Hong Kong, de acordo com as informações obtidas pela “Reuters”. A oferta pública inicial (IPO, na sigla inglesa) da gigante do e-commerce está prevista para se realizar ainda durante o terceiro trimestre de 2019, mas os confrontos na cidade terão feito com que a empresa organizasse outros cronogramas.

A retalhista online chinesa, cotada em Wall Street, entregou a documentação necessária para a entrada na bolsa asiática em meados de junho e pretende angariar até 20 mil milhões de dólares (cerca de 18 mil milhões de euros) com a operação. A multinacional fundada por Jack Ma encerrou a sessão de sexta-feira em Nasdaq com um disparo de 4,67%, para 174,76 dólares.

As fontes ouvidas pela mesma agência noticiosa adiantam este deverá ser o maior IPO do ano, sendo que até os bancos de investimento que estão a assessorar financeiramente outras grandes entradas na bolsa de Hong Kong têm tido mais cuidado no planeamento das suas operações neste período.

Mais de 100 mil pessoas estão este domingo em Hong Kong nos protestos pacíficos pró-democracia, depois de 10 semanas em que ativistas e autoridades policiais se confrontaram de forma violenta. As manifestações, que se fizeram ecoar em todo o mundo e mereceram a comparação da China a terrorismo, foram convocadas na sequência de uma lei de extradição, entretanto suspensa pelo governo local.

Ler mais
Recomendadas

PremiumFornecedores ganham margem negocial sobre grandes superfícies

Diploma impede distribuição de tirar de forma unilateral dinheiro de contas-correntes com fornecedores. “Era uma prática aberrante”, diz a Centromarca.

Lesados do BES. António Costa “disse que acabou. Não há mais dinheiro”

Uma organizadora do movimento dos emigrantes lesados do BES em França contou hoje à Lusa que o primeiro-ministro, António Costa, lhe disse que não haveria mais dinheiro para além do que já foi acordado.

Trabalhadores da General Motors em greve a partir de segunda-feira

O sindicato United Auto Workers (UAW), o maior do setor automóvel, marcou hoje uma greve que abrange os cerca de 48 mil trabalhadores do gigante norte-americano General Motors (GM) na primeira paralisação em 12 anos.
Comentários