PS assume necessidade de rever carreiras especiais da administração pública

O programa eleitoral do PS, hoje apresentado, prevê a necessidade de se adotarem medidas para corrigir “o desequilíbrio” financeiro provocado anualmente pelas carreiras especiais, nas quais o tempo conta no processo de progressão.

Stephanie Lecocq/EPA via Lusa

Esta medida de caráter orçamental consta do capítulo dedicado às “contas certas” na área das medidas a tomar na administração pública até ao final da próxima legislatura.

No que respeita às carreiras da administração pública, salienta-se no texto que as progressões “custam todos os anos 200 milhões de euros e, deste valor, quase dois terços é gasto em carreiras especiais em que o tempo conta no processo de progressão”.

“Uma realidade que cobre cerca de um terço dos trabalhadores do Estado. Este desequilíbrio deve ser revisitado. O aumento desta despesa não pode continuar a limitar a política salarial na próxima década e a impedir uma política de incentivos na administração pública que premeie a excelência e o cumprimento de objetivos pré-definidos”, adverte-se no programa eleitoral do PS.

No programa eleitoral do PS aponta-se ainda que, em conjugação com as carreiras e a gestão, “importa também continuar a desenvolver uma análise organizacional sistemática da administração central do Estado”.

Para o PS, ao longo dos próximos quatro anos, dever-se-á procurar “identificar oportunidades de otimização de estruturas orgânicas, eliminando concorrências estruturais”.

“É fundamental incentivar a definição de modelos organizacionais com capacidade adaptativa, para diminuir os encargos administrativos resultantes de sucessivas alterações formais de serviços”, acrescenta-se.

Ler mais
Recomendadas

Restrições na área de Lisboa poderão ser levantadas “muito brevemente”, diz António Costa

O primeiro-ministro revelou esta quarta-feira que as restrições impostas na Área Metropolitana de Lisboa devido à pandemia de covid-19 poderão ser levantadas “muito brevemente”, uma vez que os focos de contágio identificados são “situações muito contidas”.

“Lá dentro cultura, cá fora artistas tauromáquicos algemados. Que maravilha”. Campo Pequeno chega ao Parlamento

O CDS estranhou a realização de um espetáculo num espaço habitualmente destinado a touradas e o líder do PAN partilhou com António Costa aquilo que apelidou como uma visão do futuro. O Campo Pequeno, em Lisboa, foi tema em debate entre CDS e PAN.

António Costa defende ‘paraministro’: “Convite a quem está fora da bolha partidária melhora qualidade da sessão política”

Durante o debate quinzenal, António Costa foi questionado três vezes pelos partidos sobre o convite do Governo ao CEO da Partex. O líder do Governo diz que é o seu “estilo” convidar personalidades independentes para colaborar em questões políticas e acusou direita de “mesquinhez” por trazer tema a debate.
Comentários