PS com disciplina de voto para fixar IVA da tauromaquia em 23%

A líder parlamentar do PS afirmou hoje que haverá disciplina de voto na sua bancada para concretizar o objetivo do Governo de fixar o IVA dos espetáculos tauromáquicos em 23% no Orçamento do Estado para 2020.

ana_catarina_mendes_ps_legislativas
Mário Cruz/Lusa

Ana Catarina Mendes falava em conferência de imprensa, na Assembleia da República, depois de interrogada sobre a possibilidade de deputados socialistas poderem apoiar outras propostas para manter na taxa de 6% o IVA da tauromaquia, tal como aconteceu no âmbito da do Orçamento do ano passado.

“O que está definido pelos estatutos do PS é que, em matéria orçamental, temos disciplina de voto. Por isso, essa não é uma questão que esteja em cima da mesa. Votaremos aquilo que está na proposta [do Governo] de Orçamento do Estado”, respondeu a líder da bancada socialista.

Já em relação à possibilidade de deputados socialistas votarem contra propostas para a criação de uma taxa sobre as celuloses, designadamente uma vinda do Bloco de Esquerda, a presidente do Grupo Parlamentar do PS começou por alegar desconhecer ainda propostas nesse sentido provenientes de outras bancadas.

“Não estou em condições de dizer qual o sentido de voto do PS em todas as propostas na fase de especialidade – e essa é uma das que ainda não está vista. Temos há muitos anos nos estatutos do PS e no regulamento interno do Grupo Parlamentar que as matérias orçamentais e fiscal são matérias com disciplina de voto”, acentuou.

Na conferência de imprensa, Ana Catarina Mendes afirmou que, em termos globais, as propostas de alteração apresentadas pela bancada socialista ao Orçamento do Estado para 2020 apresentam três prioridades, sendo a primeira a do combate às desigualdades.

“O PS apresenta uma proposta de revisão do complemento solidário para idosos tendo em vista cumprir os objetivos inerentes ao nosso programa eleitoral e ao programa do Governo no sentido da erradicação da pobreza dos mais idosos até ao final da presente legislatura. Nesse sentido é proposta a eliminação dos rendimentos dos filhos no terceiro escalão para a consagração do complemento solidário para idosos, mas também avançamos com medidas para a desburocratização desta prestação social. Muitas vezes, a pouca simplificação acaba por dificultar o acesso a esta prestação”, justificou a líder da bancada socialista.

Nesta matéria, Ana Catarina Mendes apontou também o aumento extraordinário em dez euros das pensões mais baixas, a pagar a partir de agosto, e a atualização extraordinária de seis euros para as pensões que não foram atualizadas entre 2011 e 2015.

Para os desempregados de longa duração, que o PS classifica como “um dos grupos mais expostos à pobreza, a bancada socialista pretende adotar medidas que lhes confiram “estabilidade de rendimentos”, assim como incentivos ao regresso ao mercado de trabalho.

Ana Catarina Mendes falou ainda das “creches gratuitas para as crianças até aos três anos de famílias do primeiro escalão de apoios sociais” e que estejam colocadas em estabelecimentos com acordos de cooperação com o Estado.

Na segunda “área prioritária, a dos jovens”, a presidente do Grupo Parlamentar do PS disse que, por proposta da bancada do PS, a realização “de trabalhos esporádicos de estudantes ficará excluída” do cálculo do IRS do agregado familiar.

“A bolsa de estudo para o Ensino Superior será 125% do valor da propina paga. Isto que dizer que o estudante recebe uma bolsa que cobre na totalidade o valor da propina pagar na universidade”, apontou a líder da bancada socialista, já depois de mencionar medidas já anunciadas ao longo dos últimos dias pela JS.

Na terceira “área prioritária, a da habitação”, Ana Catarina Mendes referiu um conjunto de propostas de alteração, uma das quais “para reforço da verba do Instituto de Reabilitação Urbana em sete milhões de euros”.

“Estamos a dar aqui um contributo para responder aos problemas da habitação”, acrescentou.

 

Ler mais

Relacionadas

OE2019: Segurança Social fecha ano de 2019 com excedente a subir 42% para 2,8 mil ME

A Segurança Social terminou o ano de 2019 com um excedente de 2.808,4 milhões de euros, um aumento de 42% em termos homólogos, anunciou hoje o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

OE2020: CDS-PP pede alívio fiscal para empresas e famílias subscrito pelo novo líder

A líder parlamentar do CDS-PP, Cecília Meireles, garante que as 40 propostas de alteração ao OE2020 que o partido apresentou esta segunda-feira são subscritas pelo novo líder democrata-cristão, Francisco Rodrigues dos Santos, e há “concordância” entre a bancada parlamentar e a nova direção.

PS limita “vistos Gold” aos municípios do interior e às regiões autónomas

Esta medida foi anunciada pela líder da bancada socialista, Ana Catarina Mendes, em conferência de imprensa, na Assembleia da República, durante a qual fez questão de salientar que o fim dos vistos “Gold” em zonas como as de Lisboa e Porto “não terá obviamente uma aplicação com efeitos retroativos”.
Recomendadas

Endividamento da economia aumentou 3,1 mil milhões de euros em 2019

O endividamento da economia aumentou em termos nominais no final de 2019, face a igual período de 2018. No entanto, em percentagem do Produto Interno Bruto (PIB) caiu de 352,1% para 341,2%.

Dívida pública caiu para 118,2% em 2019, abaixo das estimativas do Governo

A dívida pública na ótica de Maastricht prossegue uma trajetória descendente, já que diminuiu face aos 122,2%, registados em 2018. Fixou-se ainda abaixo dos 118,9% esperados pelo Governo.

Isabel dos Santos impugna arresto de contas bancárias em Portugal

A empresária diz que não consegue pagar salários, ao fisco, Segurança Social e a fornecedores. Adianta ainda que as empresas nas quais detém participação maioritária têm empréstimos por reembolsar, no valor de 180 milhões de euros, tendo já reembolsado 391 milhões.
Comentários