PS confirma que vai votar a favor da exclusão dos apoios a empresas sediadas em offshores

O deputado João Paulo Correia confirma que o PS irá aprovar a proposta que visa excluir dos apoios públicos as empresas sediadas em offshores, tal como anunciado por Catarina Martins.

João Paulo Correia

O deputado socialista João Paulo Correia confirmou que o grupo parlamentar irá viabilizar as propostas que visam a exclusão dos apoios públicos a empresas sediadas em offshores. Esta é uma das alterações ao Orçamento Suplementar que irá a votação na especialidade que está a decorrer entre esta terça-feira e amanhã na Comissão de Orçamento e Finanças, no Parlamento.

“O GP do PS vai acompanhar propostas nesse sentido”, anunciou o parlamentar do PS, explicando que se “numa fase de emergência era desaconselhava medidas com grande impacto imediato”, o partido considera “que agora numa fase de transição” é “justo que proíbamos apoios públicos sediados em offshores”.

Tanto o Bloco de Esquerda como o PCP apresentaram propostas neste sentido. A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, já tinha anunciado ontem que este foi um dos pontos sobre os quais o partido tinha chegado a acordo com o Governo. “Há já acordo para incluir no Orçamento Suplementar duas medidas de elementar justiça na economia propostas pelo Bloco: empresas participadas por sociedades sediadas em paraísos fiscais ficam excluídas de apoio público e a contribuição da banca é para valer”, escreveu numa publicação no Twitter.

 

Ler mais

Recomendadas

Mar 2020 com 421,7 milhões de euros de despesa pública comprometidos até junho

O programa, que se insere no Portugal 2020, apresenta uma taxa de compromisso de 83,4% e 41% de execução, segundo o ministro Ricardo Serrão Santos.

Revisão do Orçamento dos Açores aprovada na Assembleia Regional

Na apresentação da revisão do orçamento, o vice-presidente do Governo Regional avançou que a proposta prevê um aumento de 210,4 milhões de euros da despesa orçamental e uma redução de 74,6 milhões da receita.

António Costa e Giuseppe Conte avisam que degradação das previsões económicas impõem acordo europeu já

Os primeiros-ministros de Portugal e de Itália alegaram esta terça-feira que o agravamento das previsões negativas da economia feitas pela Comissão Europeia impõe um acordo entre os 27 Estados-membros já na próxima reunião do Conselho Europeu.
Comentários