PS exige demissão de Pedro Machado da presidência da Turismo Centro

Diversas federações do PS exigiram a “demissão imediata” de Pedro Machado, candidato do PSD à Figueira da Foz, da presidência da Turismo Centro de Portugal (TCP) e a convocação de eleições para aquela entidade.

Flickr/PSD

As federações do PS de Aveiro, Coimbra, Guarda, Leiria, Oeste, Santarém e Viseu exigiram a “demissão imediata” de Pedro Machado da presidência da Turismo Centro de Portugal (TCP) e a convocação de eleições para aquela entidade. A posição conjunta das federações socialistas surge na sequência do anúncio, na quinta-feira, da candidatura de Pedro Machado à Câmara da Figueira da Foz, pelo PSD.

“Os presidentes das federações de Aveiro, Castelo Branco, Coimbra, Guarda, Leiria, Oeste, Santarém e Viseu, vêm exigir a demissão imediata de Pedro Machado das suas funções no Turismo Centro de Portugal, requerendo igualmente que sejam realizadas eleições o quanto antes, para dar a urgente e necessária resposta a este setor em crise”, refere a nota.

Para aquelas federações socialistas, “Pedro Machado deixou de ter condições para representar a instituição, por manifesta incompatibilidade, e vê bastante enfraquecida a confiança que lhe havia sido prestada, sendo incompreensível que deseje perpetuar-se no lugar, usufruindo dos benefícios que o cargo lhe confere”.

“Foi com estupefação que, ainda na semana passada, vimos no ‘site’ oficial da TCP uma notícia fazendo alusão à candidatura autárquica de Pedro Machado. Não podemos contemporizar tais atitudes de clara incompatibilidade. Pelo que é inevitável apresentação da sua demissão e a marcação urgente de eleições na entidade regional de turismo”, defendem as federações do PS.

Os socialistas argumentam que a entidade regional Turismo Centro de Portugal (TCP) “tem na sua composição municípios associados, não devendo intervir política e partidariamente neles, mantendo uma posição de independência e de isenção”.

“Anunciando a sua candidatura autárquica à Figueira da Foz, teimando em manter-se no cargo de presidente da comissão executiva da TCP, Pedro Machado deixa inabalavelmente comprometidos estes princípios. Entendemos que antes de assumir publicamente a sua candidatura autárquica, Pedro Machado deveria ter acautelado não enfraquecer a TCP”, sustenta a nota.

Para o PS, “impunha-se, por razões de ética e de probidade – à semelhança do que vem acontecendo com outros protagonistas políticos de diversos quadrantes partidários – que tivesse apresentado antecipadamente a sua demissão na TCP”.

Para os socialistas, o que “verdadeiramente importa” é “encerrar este ciclo e fazer a TCP “regressar à sua posição agregadora, concentrada em enfrentar os desafios que se colocam ao setor turístico, em exclusividade, sem intermitências, com uma agenda conjunta que projete toda a região centro”.

Na quinta-feira, o presidente da Turismo do Centro, Pedro Machado, anunciou ter aceitado o desafio do presidente do PSD de encabeçar a candidatura do partido à Câmara da Figueira da Foz, no distrito de Coimbra.

“Esta é uma decisão amadurecida, depois de muito refletir sobre o convite que me foi dirigido pelo presidente do partido [Rui Rio], pela Comissão Política da Figueira da Foz, que tomou esta decisão por unanimidade, e por muitos figueirenses de todos os quadrantes políticos e sociais, que diariamente, desde há um ano a esta parte, me têm feito chegar mensagens e telefonemas de incentivo”, afirmou Pedro Machado, numa nota de imprensa enviada à agência Lusa.

Questionado sobre se se irá manter como presidente da Turismo do Centro durante a campanha, Pedro Machado realçou que “os presidentes de Câmara também são titulares de cargos públicos e não abandonam [o cargo] para serem candidatos”. “Só tomarei posição sobre isso depois de ser formalmente apresentado como candidato”, acrescentou.

Ler mais
Recomendadas

PS disponível para “construir solução” que responda a dúvidas do PR sobre inseminação pós-morte

O deputado socialista Pedro Delgado Alves considerou que Marcelo Rebelo de Sousa não manifestou reservas nem dúvidas jurídicas quanto “ao essencial do projeto”, mas sobre “dois aspetos particulares do regime”.
ana_catarina_mendes_ps

PS quer teletrabalho por apenas por “mútuo acordo” e em “condições iguais” no público e privado (com áudio)

Os socialistas querem consagrar na lei o direito a desligar e garantir um tratamento igual entre os trabalhadores em teletrabalho e os em regime presencial. A proposta prevê ainda que os empregadores paguem os custos inerentes ao teletrabalho (como luz, gás e telecomunicações) mas mediante “negociação coletiva”.

Marcelo devolve ao Parlamento decreto sobre inseminação pós-morte (com áudio)

O chefe de Estado pede aos deputados que reconsiderem as disposições relativas ao direito sucessório e questiona a sua aplicação retroativa da inseminação artificial com sémen de um conjugue já falecido ou a transferência de um embrião para realizar um projeto parental.
Comentários