PS: ganhar o centro e perder a esquerda?

António Costa talvez ainda não tenha percebido, mas este caminho de abertura de conflito com a esquerda é o que melhor serve o crescimento do Bloco e do PCP.

“As eleições ganham-se ao centro” – a frase antiga de António Vitorino parece ter sido a tese política que resultou do Congresso do PS do mês passado, apesar do que estava escrito na moção mais votada pelos militantes.

Agindo em conformidade com esse mantra, António Costa e o seu governo têm demonstrado uma enorme animosidade para com os partidos à sua esquerda e tomado decisões que aumentam o conflito social. No entanto, as sondagens demonstram que esta estratégia lhes está a fazer perder pontos nas intenções de voto, tornando a maioria absoluta cada vez mais uma miragem.

Nas últimas semanas António Costa tem feito um conjunto de escolhas que denunciam uma estratégia.

Escolheu o choque frontal com os professores, preferindo uma posição radical de não negociação sobre a contagem do tempo de serviço. Escolheu a assinatura com os patrões e UGT de um acordo sobre legislação laboral que é um ‘frankenstein’ porque tem medidas contra a precariedade trabalhadas durante dois anos com o Bloco de Esquerda e medidas que aumentam a precariedade incluídas à última hora por pressão dos patrões, sem ouvir o próprio grupo parlamentar.

Escolheu Maria de Belém para criar à pressa uma Lei de Bases da Saúde para minar o sucesso da Lei de Bases da Saúde escrita pelo histórico socialista António Arnaut e por João Semedo. Escolheu autorizar um furo de petróleo em Aljezur sem o obrigatório estudo de impacto ambiental. Escolheu aceitar boicotes dos seus dirigentes ao programa de regularização dos precários do Estado.

Estas escolhas são parte da estratégia de ganhar o centro, criando conflitos com os partidos à esquerda e com os setores e reivindicações populares. Não está a funcionar.

Na passada quinta-feira João Galamba ensaiou a tese de que o conflito estaria a ser criado pelos partidos à esquerda. A tese não colhe, primeiro porque é o PS que está a procurar o PSD para os “acordos de regime”; segundo porque o conflito com os professores, com os sindicatos ou a tentativa de boicote à lei Arnaut da Saúde foram iniciativas do PS.

Finalmente, é bom recordar que o próprio João Galamba foi destituído de porta-voz oficial do PS por manter a defesa do acordo à esquerda. Para ganhar o centro, o PS calou a sua esquerda e Galamba foi disso vítima.

O que é curioso é que Rui Rio alinha com António Costa e também está apostado em ganhar o centro. Por isso, critica o Governo sem nunca atacar o primeiro-ministro e não apresenta uma alternativa clara do PSD. Os resultados estão a ser trágicos, porque num momento em que o PS cai nas sondagens, o PSD não consegue capitalizar e Rio vê aumentar o número de críticos do próprio partido engrossar.

Cristas, por seu lado, apostou em ganhar a direita e roubar votos ao PSD, mas colou-se à líder do CDS o título de responsável por duas péssimas leis, a do arrendamento e a do eucalipto, associando-a aos despejos e aos incêndios florestais. Também Cristas tem descido nas intenções de voto.

A estratégia de “ganhar o centro” é, assim, um projeto falido do ponto de vista político e eleitoral, primeiro porque não cria alternativas e confiança, e depois porque a ideia tem na génese a crença de que o voto útil será grande nas próximas eleições, algo que não se antevê tendo em conta uma direita política que não cresce.

António Costa, ao escolher ganhar o centro, abre espaço à esquerda, não tanto por, desde o congresso, ter optado por políticas que fragilizam o trabalho e o Estado social, mas porque a perceção popular é de que à esquerda do PS se encontram partidos de confiança. Talvez António Costa ainda não tenha percebido, mas este caminho de abertura de conflito com a esquerda é o que melhor serve o crescimento do Bloco de Esquerda e do PCP.

A confiança de que à esquerda se defende a Escola Pública, o Serviço Nacional de Saúde, as pensões, o direito ao trabalho e a sustentabilidade ambiental, é capital acumulado que hoje vale muito mais do que qualquer estratégia eleitoral que cria categorias arbitrárias e deterministas como o “centro” político.

Recomendadas

Aprender a comprar online

A falta de literacia online é ainda um problema a resolver, que prejudica quem compra em sites duvidosos e assusta quem nunca comprou.

Sporting vs. Braga: o desaparecimento ou a emergência de (mais) um grande?

Discute-se hoje o encurtamento das distâncias entre SC Braga e Sporting CP. Será esta uma moda de curta duração ou uma tendência emergente? Estaremos perante um quarto grande ou deveremos deixar de colocar Sporting no lote dos três grandes, dadas as distâncias cada vez mais evidentes para SL Benfica e FC Porto?

Por uma nova ética republicana

A ética republicana deve ir muito além do que está na lei, sob pena de um dia o capitalismo e a própria democracia liberal soçobrarem sob o peso das muitas indignações e da falta de empatia e coesão social.
Comentários