PS quer alterar lei eleitoral autárquica e plano plurianual de admissões nas forças de segurança

PS propõe que as assembleias das áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto sejam eleitas juntamente com as autárquicas de 2021, sendo este órgão a aprovar por maioria a constituição de um executivo metropolitano.

O PS quer alterar a lei eleitoral autárquica, passando a ser a assembleia municipal a aprovar o órgão executivo, e um plano plurianual (2021/2023) de admissões nas forças e serviços de segurança.

Estas são duas das medidas previstas no capítulo da Boa Governação do programa eleitoral do PS, documento que hoje é debatido e aprovado na Convenção Nacional do partido que se realiza em Lisboa.

Na área da Defesa, os socialistas propõem-se aprofundar os mecanismos de partilha de valências entre os ramos das Forças Armadas, “não só nas áreas de apoio e logística, mas também nas de aquisição, manutenção e modernização de meios ou, ainda, de recrutamento e formação”.

Na mesma lógica, na área da Segurança, uma das linhas do programa do PS passa por “aprofundar as soluções de partilha de recursos entre as forças e serviços de segurança”, nomeadamente GNR e PSP, através da “gradual integração das estruturas de apoio técnico e de suporte logístico, eliminando redundâncias, simplificando estruturas e permitindo a alocação de elementos policiais para a atividade operacional”.

No capítulo sobre a descentralização – a palavra regionalização não consta do programa eleitoral do PS -, os socialistas comprometem-se a “consagrar a eleição democrática das direções executivas das cinco Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR)”, que será feito por um colégio eleitoral composto pelos membros das câmaras e das assembleias municipais (incluindo os presidentes de junta de freguesia) da respetiva área territorial.

Por outro lado, pretende-se que as assembleias das áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto sejam eleitas juntamente com as autárquicas de 2021, sendo este órgão a aprovar por maioria a constituição de um executivo metropolitano.

Na mesma linha, o PS quer alterar a lei eleitoral para os órgãos municipais, passando a ser eleita uma assembleia municipal pelo método proporcional de Hondt, a qual aprovaria por maioria a Câmara Municipal, constituída por um presidente (o primeiro elemento da lista mais votada para a assembleia municipal) e vereadores.

Dar competências supramunicipais às áreas metropolitanas nos domínios da mobilidade e transportes (incluindo os operadores de transportes públicos), do ordenamento do território e da gestão de fundos europeus e reforçar os poderes de fiscalização da assembleia municipal – com possibilidade de apresentação de moções de censura – são outras medidas previstas.

Na área das funções de soberania, o PS compromete-se a, na Defesa, executar a Lei de Programação Militar” e a dar prioridade ao “equipamento de importância estratégica e que se traduza num efeito multiplicador da capacidade operacional”, apostando nos programas conjuntos e naqueles passíveis de duplo uso (civil e militar).

Aprofundar os mecanismos de partilha de valências entre os ramos das Forças Armadas, centralizar nos serviços do Ministério da Defesa Nacional o sistema de aquisições logísticas correntes que envolvam um volume orçamentalmente significativo (como combustível, viaturas administrativas e sua manutenção, mobiliário, equipamento informático) e definir uma Estratégia Nacional de Ciberdefesa são outras prioridades do PS para o setor.

Quanto à Segurança, o programa eleitoral do PS prevê concluir as ações previstas na Lei de Programação das Infraestruturas e Equipamentos para as Forças e Serviços de Segurança do Ministério da Administração Interna até 2021 e aprofundar as soluções de partilha de recursos entre as forças e serviços de segurança, nomeadamente GNR e PSP.

Aprovar um plano plurianual (2020/2023) de admissões nas forças e serviços de segurança, assegurando o seu contínuo rejuvenescimento, e reforçar as competências do Secretário-Geral do Sistema de Segurança Interna são outras das medidas propostas.

Na área da Segurança, o PS aposta no policiamento de proximidade em áreas como a segurança escolar, o apoio aos idosos ou a segurança no desporto e em grandes eventos, querendo desenvolver, em articulação com as autarquias, uma nova geração de Contratos Locais de Segurança.

Ler mais
Recomendadas

Parlamento discute hoje e vota referendo sobre a eutanásia na sexta-feira

O parlamento discute hoje e vota na sexta-feira uma proposta de referendo sobre a eutanásia, que divide direita e esquerda, mas em que há um bloco maioritário para a “chumbar”, do PS, BE, PCP, PAN e PEV.

OE2021: Federação sindical pediu alterações ao BE e ao PS

A Federação de Sindicatos da Administração Pública (FESAP) pediu hoje aos deputados do Bloco de Esquerda e do Partido Socialista que proponham alterações ao Orçamento do Estado (OE) para 2021 que respondam às reivindicações dos funcionários públicos.

Marcelo promulga diploma que reduz debates europeus na AR para dois por semestre

O Presidente da República promulgou hoje o diploma aprovado por PS e PSD que reduz os debates europeus no parlamento para dois por semestre, depois de ter vetado uma primeira versão que previa apenas um por semestre.
Comentários