PS reduz para 7.500 assinaturas para petições para ir de encontro aos avisos de Marcelo

Os socialistas consideram que é preciso garantir uma “resposta atempada” às petições públicas dos cidadãos e rejeita críticas do Chefe de Estado de que proposta limite participação dos cidadãos.

Mário Cruz/Lusa

O Partido Socialista (PS) quer reduzir de 10 mil para 7.500 assinaturas necessárias para discutir uma petição em plenário, a fim de contornar o veto presidencial à anterior proposta da Assembleia da República. Os socialistas consideram que é preciso garantir uma “resposta atempada” às petições públicas dos cidadãos e rejeita críticas do Chefe de Estado de que proposta limite participação dos cidadãos.

A proposta do PS surge depois de o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, ter chumbado o diploma que elevou de quatro mil para dez mil o número de assinaturas necessárias para que uma petição pública fosse apreciada em plenário. Com o ‘chumbo’ presidencial, a proposta foi devolvida ao Parlamento para reapreciação e eventual correção das críticas assinaladas pelo Chefe de Estado.

Na reapreciação do diploma, que teve lugar esta sexta-feira na Assembleia da República, o vice-presidente da bancada parlamentar do PS Pedro Delgado Alves explicou que a iniciativa não tinha como objetivo limitar a participação dos cidadãos, mas “racionalizar a forma como se organiza o debate” das petições, introduzindo “o debate em comissão para uma tramitação mais rápida e assegurar que as petições são verdadeiramente abordadas”.

“O Presidente da República olhou para a iniciativa aprovada e entendeu que ela poderia dar um sinal contrário no sentido de diminuir a participação democrática dos cidadãos, quando o que se pretendia era precisamente o inverso. Era garantir que os cidadãos tinham uma resposta atempada e que o debate tinha lugar em comissão dado resposta à solicitação dos cidadãos”, salientou o socialista.

Pedro Delgado Alves explicou que foi com o objetivo de garantir resposta atempada aos cidadãos, que o PS decidiu recuar e reduzir o número de assinaturas necessárias para se discutir uma petição em plenário. “Fixamos [o número de assinaturas] em 7.500, subindo ligeiramente em relação ao modelo atualmente em vigor, mas também aumentando a possibilidade de debate em comissão parlamentar”, sublinhou.

O ‘vice’ da bancada do PS assinalou ainda que a Assembleia da República tem “um atraso extraordinariamente significativo no tempo de resposta do Parlamento aos cidadãos”. “No início desta segunda sessão legislativa, começámos a agendar petições já com uma sessão legislativa inteira de atraso”, referiu Pedro Delgado Alves, frisando que “há claramente um desfasamento entre a expectativa dos cidadãos” e o tempo de resposta do Parlamento.

A proposta foi criticada pelos restantes partidos com representação parlamentar, à exceção do Partido Social Democrata (PSD), que consideraram que a proposta não resolve o problema e constitui uma “diminuição dos direitos dos cidadãos” e uma “machadada na democracia e na representação parlamentar”. Já o deputado do PSD Duarte Pacheco sublinhou que, pelo PSD, “mantínhamos a proposta inicial sem qualquer mexida”.

Ler mais
Recomendadas
André Ventura no Infarmed

Chega alega que STA “decidiu não decidir” sobre ação contra proibição de deslocações entre concelhos

Direção nacional considera que o acórdão “está ferido de nulidade por insuficiência de fundamentação” da falta de legitimidade do partido para intentar a ação. E afirma que “o sistema judicial funcionou a favor do Governo” ao manter restrições que o Chega considera inconstitucionais sem ser decretado o estado de emergência.

Presidenciais nos EUA: Trump desdobra-se em quatro comícios na Pensilvânia

O Estado da Pensilvânia elege 20 Grandes Eleitores e, por isso, é determinante para o resultado final no dia 03 de novembro, data da eleição presidencial.

Candidata a prefeita do Rio de Janeiro admira Marcelo Rebelo e tem Lisboa como modelo

Filha de imigrantes portugueses, a candidata foi criada no bairro da Penha, zona norte do Rio de Janeiro, e lançou-se como uma alternativa da esquerda progressista pelo Partido Democrático Trabalhista (PDT), defendendo o diálogo e a participação popular na gestão.
Comentários