PS revela “absoluta estranheza” com proposta do Bloco para que Governo apresente “outro Orçamento”

A líder parlamentar do PS, Ana Catarina Mendes, lembrou que há ainda um processo negocial em curso e que a proposta orçamental do Governo já contempla reivindicações dos bloquistas, como o reforço do SNS e a garantia de que não há uma nova transferência de dinheiro público para o Novo Banco.

Mário Cruz/Lusa

O Partido Socialista (PS) revelou esta terça-feira “absoluta estranheza” com a proposta da coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, para, caso o Orçamento do Estado para 2021 (OE2021) ser inviabilizado no Parlamento, o Executivo socialista apresente outro. A líder parlamentar do PS, Ana Catarina Mendes, lembra que há ainda um processo negocial em curso e que a proposta do Governo já contempla reivindicações do BE.

“Causa estranheza que a poucas horas de retoma este processo negocial, o BE consiga inventar à última da hora a necessidade de encontrar um novo Orçamento quando sabe que este é um Orçamento aberto, suscetível de negociação em sede de especialidade”, referiu Ana Catarina Mendes, em conferência de imprensa, na Assembleia da República, numa altura em que se mantém o impasse nas negociações entre o Governo e os bloquistas.

Segundo Ana Catarina Mendes, as reivindicações do BE “estão consagradas” no OE2021. Entre as propostas que foram acolhidas pelo Governo, estão o reforço do investimento no Serviço Nacional de Saúde (SNS), a criação de uma prestação “mais sólida e duradoura” para dar resposta a todos aqueles que perderam o seu emprego e os seus rendimentos, e a garantia de que o Fundo de Resolução não tem dinheiro público, diz a líder da bancada do PS.

Depois de Catarina Martins ter vindo sugerir, em entrevista à rádio “Observador”, que o Governo apresente outro Orçamento caso não haja margem para viabilizar a proposta atual, a presidente do grupo parlamentar socialista considerou a ideia “irrealista e impossível” e deu conta de que entre os deputados do PS a proposta causou “tremenda estranheza”, tendo em conta que as negociações ainda não estão fechadas.

“Estamos a horas de voltar à mesa de negociações dos parceiros à esquerda com o Governo (…) A partir do momento em que a proposta é entregue na Assembleia da República, ela tem um período de especialidade e está ainda aberta a um conjunto de negociações”, disse, salientando que o primeiro-ministro, António Costa, já veio dizer que está disposto a encontrar soluções para “não virar as costas ao país nem somar a uma crise pandémica, económica e social uma crise política”.

Para o PS, acusa ainda “absoluta estranheza” que o BE pondere chumbar o OE2021 quando este é “um orçamento forte, com um cariz social muito grande e que responde às exigências daquilo que estamos a viver”. “Nenhum de nós ignora que os números de desempregados aumentam e que os números de doentes e infetados está a aumentar e isso exige o reforço do SNS, o apoio às empresas, às famílias e aos trabalhadores”, salientou.

Ana Catarina Mendes disse ainda que ouvir Catarina Martins dizer, “com um ar até inquieto”, que é impensável o país ser governado em duodécimos, “não deixa de causar estranheza, mas também alguma satisfação” por o BE ter “abandonado” a ideia defendida pelo deputado José Manuel Pureza tinha de que “não havia nenhum problema se houvesse governação do orçamento em duodécimos”, no caso de não haver acordo para a viabilização.

Relacionadas

Gerir o país em duodécimos? “Que irresponsabilidade”, diz Catarina Martins

No dia em que reúne com o Governo, a coordenadora do Bloco de Esquerda diz esperar que hoje “haja avanços” nas negociações sobre o Orçamento. No entanto, recusa a ideia de uma eventual gestão do país em duodécimos se o documento fosse inviabilizado no Parlamento. “Se não existir um Orçamento, o Governo pode apresentar outro”, afirmou.

Líder parlamentar do BE não aceita participar num Orçamento que “falha já a questões fundamentais”

O líder parlamentar bloquista, Pedro Filipe Soares, considera que as alterações propostas pelo BE à proposta do Governo são de “bom senso” e espera que a nova ronda de negociações não seja uma “encenação” do Governo “para o desfecho que deseja”.

OE2021: PS acusa Catarina Martins de “mentir” sobre transferência para o Novo Banco

O grupo parlamentar do PS desmente que a proposta do Governo não vá “avançar mais” no combate à pobreza por causa da injeção de capital ao Novo Banco e diz que isso é “uma mentira tem que ser desfeita”. Os socialistas dizem ainda que continuam disponíveis para negociar “com boa-fé”.
Recomendadas

Variante Delta tão contagiosa quanto a varicela e mais transmissível do que gripe sazonal, diz estudo

O estudo do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças revela que a variante Delta é muito mais contagiosa, tem maior probabilidade de quebrar as proteções oferecidas pelas vacinas e pode provocar doenças mais graves do que todas as outras estirpes conhecidas do vírus

Bastonário dos Médicos diz que é um “erro” abdicar da matriz de risco

Miguel Guimarães reiterou a necessidade que existia da revisão da matriz de monitorização da situação epidemiológica, mas vincou que colocar o foco na população vacinada está sujeita a outras variáveis mais imprevisíveis, como a eficácia das vacinas ao longo do tempo ou eventuais novas variantes do vírus SARS-CoV-2.

Governo liberta a economia em três fases. Conheça as medidas de desconfinamento

António Costa anunciou esta semana três fases de libertação das atividades económicas. Este processo começa a 1 de agosto e tem em consideração a percentagem de vacinação da população portuguesa. Conheça o plano de desconfinamento definido pelo Governo.
Comentários