PremiumPSA diz que greves em Sines põem em causa investimento de 550 milhões

Concessionária avisa que as greves consecutivas já provocaram quebras acima de 25% nas mercadorias movimentadas e perdas de nove milhões de euros. O investimento de 547 milhões pode cair.

Está a acender-se um alerta vermelho sobre o futuro do investimento da PSA, empresa estatal de Singapura, na expansão do terminal de contentores no porto de Sines devido às greves contínuas que se têm registado por parte dos estivadores desde 2 de maio passado. Em causa está a intenção de investir cerca de 547 milhões de euros para expandir a capacidade deste terminal dos atuais 2,3 para 4,1 milhões de TEU [medida-padrão equivalente a contentores com 20 pés de comprimento] anuais.

A movimentação de contentores no Terminal XXI já está a cair mais de 25% face ao período homólogo de 2018, uma quebra que se deverá manter até ao fim deste ano. A empresa deixou de renovar contratos com cerca de 10% da sua força de trabalho (cerca de 100 trabalhadores). E, mais grave, o contrato de investimento para expansão do Terminal XXI, assinado há poucas semanas com o Estado português, poderá não passar de uma miragem se a instabilidade social e laboral se mantiver.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

PremiumFornecedores ganham margem negocial sobre grandes superfícies

Diploma impede distribuição de tirar de forma unilateral dinheiro de contas-correntes com fornecedores. “Era uma prática aberrante”, diz a Centromarca.

Lesados do BES. António Costa “disse que acabou. Não há mais dinheiro”

Uma organizadora do movimento dos emigrantes lesados do BES em França contou hoje à Lusa que o primeiro-ministro, António Costa, lhe disse que não haveria mais dinheiro para além do que já foi acordado.

Trabalhadores da General Motors em greve a partir de segunda-feira

O sindicato United Auto Workers (UAW), o maior do setor automóvel, marcou hoje uma greve que abrange os cerca de 48 mil trabalhadores do gigante norte-americano General Motors (GM) na primeira paralisação em 12 anos.
Comentários