PSD não se opõe a que Governo “encomende o trabalho a quem quer que seja”, mas defende que “interlocutores têm de ser ministros”

O presidente do PSD não rejeita a hipótese de António Costa Silva poder estar presente nas reuniões que o Governo terá com os partidos e parceiros sociais para discutir o plano de recuperação da economia, mas sublinha que o gestor da Partex não pode ser “o interlocutor para os partidos da oposição e para a Assembleia da República”.

Mário Cruz/Lusa

O presidente do Partido Social Democrata (PSD), Rui Rio, afirmou esta segunda-feira que “não tem rigorosamente nada contra nem a favor” da decisão do Governo em convidar o presidente da petrolífera Partex, António Costa Silva, para desenhar o programa de recuperação económica do país. O líder social-democrata sublinhou, no entanto, que “no momento de conversar, os interlocutores do Governo têm de ser os ministros”.

“Se Governo quer fazer um plano a longo prazo de desenvolvimento estratégicos da economia portuguesa, acho bem. Quem é que chama a colaborar? Não é da minha conta. Desde que depois o relacionamento direto não seja com essa pessoa”, afirmou Rui Rio aos jornalistas, à margem de uma visita a um colégio do Porto.

O presidente do PSD não se opõe a que “o Governo ausculte quem quer que seja e encomende o trabalho a quem quer que seja” e também não rejeita a hipótese de António Costa Silva poder estar presente nas reuniões que o Governo terá com os partidos e parceiros sociais para discutir o plano de recuperação da economia. “Mas não é o interlocutor para os partidos da oposição e para a Assembleia da República”, insistiu Rui Rio.

Depois das críticas do Bloco de Esquerda (BE), do CDS-PP e do partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN), António Costa Silva veio esclarecer, em entrevista à RTP, que não vai negociar o plano económico em nome do Governo. “Os partidos têm razão, eu tenho imenso respeito pelos partidos. A minha missão não e negociar, a minha missão é fazer o plano. Quem vai negociar, fazer as escolhas, e estabelecer prioridades, é o Governo”, sublinhou.

De acordo com o gabinete do primeiro-ministro, o gestor da Partex foi convidado para “coordenar a preparação do Programa de Recuperação Económica”, que deve estar concluído até à aprovação do Orçamento Suplementar. O convite foi aceite “como contributo cívico e ‘pro bono'”, “enquanto os membros do Governo estão concentrados, nesta fase, no Programa de Estabilização Económica e Social e no Orçamento Suplementar”.

Rui Rio disse ainda que é provável que o convite feito a António Costa Silva esteja relacionado com uma eventual remodelação no Governo. “Intuímos que possa vir a acontecer em breve”, disse sem acrescentar pormenores. Na mesma entrevista à RTP, António Costa Silva negou essa possibilidade. “Não serei” do Governo, disse.

Ler mais
Relacionadas

António Costa Silva diz que não vai negociar com partidos depois de críticas de BE, PCP, PAN e CDS-PP

À exceção do Partido Social-Democrata (PSD), os partidos já avisaram que recusam negociar com “paraministros” e criticam escolha do presidente da petrolífera Partex, António Costa Silva, para desenhar um programa de recuperação económica e representar o Governo nas negociações com os partidos e parceiros sociais. Depois das críticas, gestor já veio a público garantir que não se vai sentar à mesa de negociações.

António Costa Silva diz que não vai para o Governo

O novo conselheiro económico de António Costa garantiu que não vai integrar o Executivo. Sobre a TAP, defende a intervenção do Estado, mas preservando os postos de trabalho.

PS elogia escolha de Costa e Silva para preparar programa de recuperação económica

O vice-presidente da bancada socialista Carlos Pereira considerou hoje “uma boa solução” o convite do primeiro-ministro ao gestor António Costa e Silva para preparar o programa de recuperação económica, frisando que o Governo estará sempre neste processo.

Plano de António Costa Silva visa portos, energia, digital e saúde

“Esta crise mostrou que o papel do Estado tem que ser mais valorizado, mais Estado na economia, o Estado é o último protetor contra todo o tipo de ameaças”, afirmou o gestor independente, que diz ser “favorável aos mercados”, convidado pelo primeiro-ministro para elaborar um plano de recuperação económica para o pós-pandemia Covid-19.

O que Portugal precisa para não falhar, segundo António Costa Silva

O gestor que o primeiro-ministro convidou para ajudar o Governo a delinear o plano de recuperação diz que Portugal tem instituições sólidas, mas alerta que as políticas públicas têm de ser mais inteligentes e inclusivas.
Recomendadas

Portugal quer “reforçar cooperação” com Guiné-Bissau na saúde, educação e justiça

António Costa afirma ter sublinhado o seu “empenho pessoal no relacionamento fraterno entre Portugal e a Guiné-Bissau”, que “deve estar à altura dos laços históricos” que unem os dois povos.

Governo revela plano de contingência para evitar colapso do SNS no outono

O gabinete de Marta Temido anunciou algumas medidas que deverão evitar o colapso do SNS numa altura em que a gripe sazonal marca o regresso. O Ministério da Saúde vai antecipar já para o início de outubro a vacinação contra a gripe sazonal e reforçar cuidados intensivos e laboratórios.

PremiumNovo Banco: Bloco de Esquerda considera “opaco” acordo com Bruxelas

BE já pediu documentos sobre cláusula em que Estado aceitou ser responsável por tudo aquilo que correr mal associado ao Novo Banco.
Comentários