PSD pede apreciação parlamentar do decreto do Governo que impõe teletrabalho até ao fim do ano

Os social-democratas consideram “inaceitável” prolongar as limitações aos direitos laborais, sem “fundamentação técnico científica justificativa”, numa altura em que se prevê a retoma e o desconfinamento progressivo ainda este ano.

Flickr/PSD

O Partido Social Democrata (PSD) pediu esta quarta-feira a apreciação parlamentar do decreto do Governo que impõe a obrigatoriedade do teletrabalho e o desfasamento de horários até ao final do ano. Os social-democratas consideram “inaceitável” prolongar as limitações aos direitos laborais, sem “fundamentação técnico científica justificativa”, numa altura em que se prevê a retoma e o desconfinamento progressivo.

“Não se compreende a decisão de prorrogar estas regras até ao dia 31 de dezembro, sem que tal seja acompanhado de fundamentação técnico científica justificativa dessa prorrogação. Mais: se o Governo prevê a retoma e o desconfinamento progressivo como se justificam estas limitações dos direitos dos trabalhadores e das empresas até ao final do ano?”, lê-se no pedido de apreciação parlamentar entregue no Parlamento pelo PSD.

No decreto do Governo, que o PSD quer alterar, está previsto que “a prorrogação e manutenção de medidas específicas aplicáveis às empresas com locais de trabalho com 50 ou mais trabalhadores”, como o teletrabalho obrigatório e o desfasamento de horários, até 31 de dezembro. A justificar a medida está a evolução da Covid-19, “numa fase em que se projeta a retoma gradual e faseada da atividade económica”.

O decreto-lei foi promulgado pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, no final de março, “atendendo aos motivos sanitários invocados, apesar das óbvias limitações impostas [pela aprovação do regime excecional e transitório de reorganização do trabalho e de minimização de riscos de transmissão da infeção da Covid-19] que podem resultar para entidades coletivas de trabalhadores e empresários”.

O partido liderado por Rui Rio entende, no entanto, que “ao afastar a aplicação do regime regra, previsto no Código do Trabalho, o Governo está a pôr em causa, grosseiramente, os direitos dos trabalhadores e das empresas”, e que isso “é manifestamente inaceitável num Estado de Direito”. Além disso, trata-se de uma imposição “unilateral”, “sem qualquer avaliação da situação pandémica e sem o estribo de uma situação de estado de emergência”.

Recomendadas

Iniciativa Liberal compara-se a Santo António em arraial com sardinhas e bifanas

 O presidente da Iniciativa Liberal (IL), João Cotrim de Figueiredo, comparou este sábado o partido ao Santo António, dizendo que é “o martelo dos inimigos da liberdade”, num arraial comício com centenas de pessoas, sardinhas e bifanas.

CML/Rússia. Governo diz que queixa recebida também era dirigida às “entidades competentes”

O Governo reconheceu este sábado que os serviços de dois ministérios receberam uma queixa enviada em março por ativistas cujos dados foram partilhados pela câmara de Lisboa, mas “não suscitou diligências” porque também era dirigida “às entidades competentes”.

José Luís Carneiro declina candidatura socialista à Câmara do Porto

“Apesar de apelos de muitos militantes, simpatizantes, cidadãos e instituições da cidade para que reponderasse a decisão relativa à candidatura à Câmara do Porto e aceitasse ser candidato, e depois de muito ponderar, reiterei à concelhia e federação do PS a minha indisponibilidade”, afirmou.
Comentários