PSD quer ouvir ministra da Saúde sobre atraso nos tratamentos da Hepatite C

Os sociais-democratas pedem esclarecimentos sobre os repetidos atrasos no acesso à medicação contra a Hepatite C e alertam que a estratégia para a eliminação da doença antes de 2030 pode estar a ser posta em causa. 

O Partido Social Democrata (PSD) quer ouvir “com a maior brevidade possível” a ministra da Saúde, Marta Temido, sobre a não administração de tratamentos para doentes com Hepatite C nos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS). Os sociais-democratas pedem esclarecimentos sobre os repetidos atrasos no acesso à medicação contra a Hepatite C e alertam que a estratégia para a eliminação da doença antes de 2030 pode estar a ser posta em causa.

A bancada parlamentar do PSD dá conta de que o financiamento dos tratamentos da Hepatite C era assegurado pela Administração Central do Sistema de Saúde, mas, com a alteração do modelo de contratualização, em 2018, os pagamentos passaram a ser efetuados pelas administrações hospitalares, o que, devido às dificuldades financeiras com que estas se deparam, “teve como consequência o atraso no acesso à medicação contra a Hepatite C”.

Os sociais-democratas dizem que a situação nos hospitais do SNS é “muito preocupante”. No requerimento apresentado pelo PSD esta terça-feira, são recordadas as declarações da presidente da Direção da Associação SOS Hepatites, Emília Rodrigues, que indicou aos jornais que “os únicos hospitais que estão a dar tratamentos em 15 dias a um mês são o Santa Maria e o Egas Moniz”. Nos restantes hospitais do país registam-se atrasos constantes, segundo Emília Rodrigues, e os doentes estão a esperar “entre quatro meses a um ano”.

O PSD recorda que o anterior Governo assumiu uma “ambiciosa” meta na luta contra a Hepatite C, que permitiu, ainda no final de 2015, ter já em tratamento cerca de cinco mil doentes. “[Isso] levou a que o nosso País fosse citado internacionalmente, também em conferências da especialidade, como um exemplo de bom acordo para o tratamento da referida doença”, lê-se no requerimento.

O partido dá conta que o mecanismo de financiamento centralizado, criado pelo Ministério da Saúde, “permitiu diminuir a distorção na relação entre as necessidades e a oferta, passando aliás a utilizar-se o inovador conceito de doente curado”.

“Facto é, no entanto, que a situação piorou reconhecidamente no último ano e meio, com as inerentes e graves consequências que tal acarreta para os doentes com Hepatite C, estando o País a por ainda em causa a estratégia para a eliminação da hepatite C antes de 2030, conforme preconizado pela OMS”, indica a bancada social-democrata.

Recomendadas

CNE alerta que é proibido propaganda na véspera e dia de eleições

A comissão avisa que “entende-se por ‘propaganda eleitoral’ toda a atividade que vise direta ou indiretamente promover candidaturas, seja dos candidatos, dos partidos políticos, dos titulares dos seus órgãos ou seus agentes, das coligações, dos grupos de cidadãos proponentes ou de quaisquer outras pessoas, nomeadamente a publicação de textos ou imagens que exprimam ou reproduzam o conteúdo dessa atividade”.

“Lisboa estava em sentada em tanto dinheiro de impostos que nem sabia o que lhe fazer”, realça candidato da IL a Lisboa

Na última edição do programa “Primeira Pessoa, da plataforma multimédia JE TV, Bruno Horta Soares considera que é importante estancar o aumento de trabalhadores na Câmara Municipal de Lisboa e diminuir os “10 a 12 milhões em avenças e os 13 milhões em horas extraordinárias”.

Portugal concede terceira moratória a Cabo Verde para o pagamento da dívida

O anúncio foi feito esta pelo Governo que aprovou uma nova suspensão do pagamento do serviço da dívida por parte da República de Cabo Verde, relativa aos empréstimos diretos concedidos.
Comentários