PSI 20 acompanha praças europeias e fecha no verde

O PSI 20 subiu 1,74%, para 4.636,33 pontos, num dia em que apenas a Ibersol desvalorizou (-0,33%) e a Sonae manteve-se inalterada. Todas as outras cotadas subiram, com os ganhos a serem liderados pela Altri (+6,34%) o Millennium bcp e a Semapa.

O principal índice bolsista nacional, o PSI 20, encerrou a sessão desta terça-feira em alta, acompanhado a tendência de ganhos que se registou entre as congéneres europeias — foi a terceira sessão consecutiva de ganhos na Europa.

O PSI 20 subiu 1,74%, para 4.636,33 pontos, num dia em que apenas a Ibersol desvalorizou (-0,33%) e a Sonae manteve-se inalterada. Todas as outras cotadas subiram, com os ganhos a serem liderados pela Altri (+6,34%) o Millennium bcp e a Semapa.

As ações do banco continuam a recuperar e hoje valorizaram 4,88%, para os 0,1160 euros. Já a papeleira somou 4,72% e encerrou a sessão a negociar nos 9,10 euros por ação. Ainda na indústria do papel, a Navigator subiu 2,95%, para 2,37 euros.

Na energia, a EDP valorizou 1,96%, para 4,37 euros, enquanto a Galp Energia subiu 0,43% e a EDP Renováveis avançou 0,65%.

Destaque ainda para a Sonae Capital, que valorizou 3,16%, e para a Jerónimo Martins e a Mota Engil, com ganhos acima dos 2%.

O sentimento do mercado, a nível europeu, foi impulsionado depois de o setor terciário chinês ter registado “uma expansão surpreendente em maio, enquanto na zona euro e nos Estados Unidos houve um alívio do ritmo de contração mais expressivo que o previsto. A divulgação de que as empresas norte-americanas destruíram menos empregos que o esperado foi outro fator de otimismo”, referiu Ramiro Loureiro, analista de mercados do BCP.

Na Europa, Alemanha, Angela Merkel decidiu adiar as negociações sobre um pacote de estímulo económico, que poderá chegar aos cem mil milhões de euros. “Chegam agora notas que as negociações se encontram num impasse, enquanto o Partido CDU aguarda por uma reação dos seus parceiros de coligação SPD”, referiu Ramiro Loureiro.

Em Portugal, o Executivo revelou estar em negociações com a Alemanha para a criação de um corredor aéreo para turistas.

Neste contexto, as principais praças europeias valorizaram esta terça-feira. O índice pan-europeu Stoxx 600 subiu 2,54%, enquanto o Stoxx 50 avançou 3,5%. O Dax valorizou 3,88%, o CAC 40 subiu 3,36%, o FTSE 100 somou 2,61% e o Ibex 35 avançou 2,95%.

Nas matérias-primas, o pacto dos produtores da OPEP+ (uma pequena extensão do seu acordo histórico) pode ter sido ameaçado perante as falhas de compromisso no corte por parte de alguns países. O preço do petróleo está em queda. Em Londres, o preço do barril de Brent, referência mundial, cede 1,39%, para 39,02 dólares. Nos Estados Unidos, o West Texas Intermediate recua 1,58%, para 36,23 dólares.

Ler mais

Relacionadas

Ganhos superiores a 6% do BCP impulsionam praça nacional que acompanha pares europeias

O principal índice bolsista português avança 2,11% para 4.653,25 pontos, em linha com as principais praças europeias, prosseguindo em alta pelo terceiro dia consecutivo.

Bolsa portuguesa acompanha Europa em alta. BCP e Galp valorizam mais de 2%

“As principais bolsas europeias abrem em alta pelo terceiro dia consecutivo esta semana, sustentadas pela revelação de que a atividade nos serviços da China se expandiu de forma surpreendente em maio”, comentou Ramiro Loureiro, Mtrader do Millennium BCP.
Recomendadas

Novos dados sobre o remdesivir acalmam investidores. Wall Street fecha no ‘verde’

Os três principais índices norte-americanos acabaram a sessão no ‘verde’. A Gilead Sciences está subiu mais de 2%, depois de informar que o seu medicamento remdesivir está associado a uma percentagem significativa de melhorias dos doentes com Covid-19.

Tesla pode entrar no S&P 500, estima Reuters

A empresa gerida por Musk conta com uma capitalização de mercado de 250 mil milhões de dólares, maior do que 95% das empresas já pertencentes ao índice norte-americano.

Portugal regressa ao mercado na quarta-feira para financiar-se até 1.750 milhões de euros

Os dois leilões das linhas de bilhetes do tesouro têm maturidades a seis meses e um ano, segundo o IGCP – Agência da Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública
Comentários