PSI 20 acompanha tendência europeia, com investidores a recearem travagem da economia mundial

O principal índice bolsista português perde 0,71%, para 5.123,72 pontos.

O principal índice bolsista português, PSI 20, perde 0,71%, para 5.123,72 pontos, na primeira sessão da semana, depois de na sexta-feira, 22 de março, o PSI 20 ter fechado a sessão com a maior queda do ano (-2,04%, para 5.157,05 pontos).  Lisboa acompanha a tendência europeia, quando os investidores receiam uma significativa travagem da economia mundial.

Na praça nacional, sem notícias específicas sobre empresas, os títulos dos CTT (-2,42%), Mota-Engil (-2,39%), Semapa (-1,63%), BCP (-1,49%) e Sonae SGPS (-1,13%) são os que mais pesam na performance da bolsa.

A negociar “no verde” destaque para a EDP, que hoje beneficia de uma nota do CaixaBank BPI Research, depois de este ter analisado o plano estratégico da energética.  A nota do CaixaBank elevou a recomendação da EDP para “comprar” e o preço-alvo para finais de 2019 passou dos 3,55 euros para os 3,80 euros, “perante o potencial de valorização em termos fundamentais e os catalisadores de eventuais movimentos de consolidação”.  A empresa liderada por António Mexia soma 0,41%, para 3,44 euros.

A mesma nota tem impacto na EDP Renováveis. A casa de investimento manteve uma “visão positiva em termos fundamentais”, embora reconheça o freefloat (parcela de captial negociada em bolsa e que não se encontra na posse dos acionistas de referência). CaixaBank BPI Research elevou o preço-alvo para finais de 2019 dos 9,60 euros para 10,60 euros e a recomendação mateve-se em “comprar”. A empresa liderada por João Manso Neto perde 0,47%, para 8,5 euros.

 

 

Ler mais
Recomendadas

PSI20 negoceia no verde impulsionado pela Jerónimo Martins contrariando maré vermelha europeia

O principal índice da bolsa de Lisboa, o PSI 20, regista esta sexta-feira uma subida de 0,81% para 5.395,34 pontos, em contraciclo com as bolsas europeias que negoceiam todas no vermelho.

Dados robustos põem Wall Street em máximos

Na Europa, as bolsas recuperam após os agentes económicos terem antecipado o novo envelope financeiro que o BCE vai apresentar em junho.

Wall Street sem tendência definida. Dona do ‘post-it’ afundou cerca de 13% e arrastou o Dow

No setor industrial, destaque para o tombo de 12,95% da 3M, a empresa que inventou e comercializa os ‘post-it’, o que teve um impacto negativo de 0,4% no Dow.
Comentários