PSI 20 acompanha tendência europeia, com investidores a recearem travagem da economia mundial

O principal índice bolsista português perde 0,71%, para 5.123,72 pontos.

O principal índice bolsista português, PSI 20, perde 0,71%, para 5.123,72 pontos, na primeira sessão da semana, depois de na sexta-feira, 22 de março, o PSI 20 ter fechado a sessão com a maior queda do ano (-2,04%, para 5.157,05 pontos).  Lisboa acompanha a tendência europeia, quando os investidores receiam uma significativa travagem da economia mundial.

Na praça nacional, sem notícias específicas sobre empresas, os títulos dos CTT (-2,42%), Mota-Engil (-2,39%), Semapa (-1,63%), BCP (-1,49%) e Sonae SGPS (-1,13%) são os que mais pesam na performance da bolsa.

A negociar “no verde” destaque para a EDP, que hoje beneficia de uma nota do CaixaBank BPI Research, depois de este ter analisado o plano estratégico da energética.  A nota do CaixaBank elevou a recomendação da EDP para “comprar” e o preço-alvo para finais de 2019 passou dos 3,55 euros para os 3,80 euros, “perante o potencial de valorização em termos fundamentais e os catalisadores de eventuais movimentos de consolidação”.  A empresa liderada por António Mexia soma 0,41%, para 3,44 euros.

A mesma nota tem impacto na EDP Renováveis. A casa de investimento manteve uma “visão positiva em termos fundamentais”, embora reconheça o freefloat (parcela de captial negociada em bolsa e que não se encontra na posse dos acionistas de referência). CaixaBank BPI Research elevou o preço-alvo para finais de 2019 dos 9,60 euros para 10,60 euros e a recomendação mateve-se em “comprar”. A empresa liderada por João Manso Neto perde 0,47%, para 8,5 euros.

 

 

Ler mais
Recomendadas

Wall Street animada à espera de boa época de resultados

Setor tecnológico impulsiona Nasdaq e o mercado antecipa que as empresas que vão apresentar os resultados do segundo trimestre aumentem os lucros em 1%. O mercado também espera que a Fed corte as taxas de juro depois da reunião de julho, o que está a impulsionar os índices bolsistas.

Tensões no Médio Oriente impulsionam subida de 1,23% do Brent

A cotação do Brent subiu devido às crescentes tensões com o Irão, que levam os investidores a recear interrupções nos canais de abastecimento de gás e petróleo a partir do Médio Oriente.

Com ou sem acordo, pouco importa. Brexit vai mesmo empurrar o Reino Unido para uma recessão, estima ‘think tank’

O Instituto Nacional de Investigação Económica e Social britânico revelou que o Brexit terá consequências nocivas para a economia britânica, independentemente de ser um Brexit duro ou um Brexit suave. Mas, o PIB britânico será 5% mais baixo no caso de um Brexit duro.
Comentários