PSI-20 perde mais de 2%. BCP encerra sessão com queda superior a 3%

O principal índice bolsista português terminou a semana, a descer 2,28%, para 5.063,87 pontos, seguindo a tendência das suas congéneres europeias.

Reuters

O principal índice bolsista português, PSI 20, terminou a semana, a descer 2,28%, para 5.063,87 pontos, seguindo a tendência das suas congéneres europeias.

A fazer descer o PSI 20 estiveram, entre as principais cotadas portuguesas, o BCP, que tombou 3,84%, para 14 cêntimos, depois de o Jornal Económico noticiar esta sexta-feira que o banco vai avançar com 800 rescisões amigáveis e poderá recorrer ao despedimento coletivo.

A EDP Renováveis, que desceu 3,19%, para 18,82 euros e a EDP que desvaloriza 2,29%, para 4,57 euros.

Em terreno negativo encontram-se também a petrolífera Galp, que caiu 3,11%, para 9,60 euros, a Navigator, que perdeu 2,38%, para 2,87 euros a construtora Mota-Engil, que depreciou 1,45%, para 1,42 euros e a Sonae SGPS, que desceu 2,77%, para 0,78 euros.

A negociar com sinal ‘verde’ no fecho da sessão estiveram apenas a Novabase, que subiu 1,45%, para 4,21 euros, e Ramada, que cresceu 1,02%, para 5,96 euros.

“A sessão foi de perdas algo expressivas nos mercados de ações, com o PSI20 a ser o mais castigado, ao recuar 2,3%. O setor da Banca tombou quase 3%”, refere Ramiro Loureiro, analista de mercados do Millenium investment banking.

Na Europa, todas as praças encerraram no ‘vermelho’ e a maioria a tombar mais de 1%. Na Alemanha, o DAX desce 1,77%, no Reino Unido, o FTSE 100 cai 1,95%, o francês CAC 40 desvaloriza 1,46%, o holandês AEX, desce 2,08%, enquanto em Espanha, o IBEX35 cai 1,83% e em Itália, o FTSE MIB deprecia 1,89%.

A cotação do barril de Brent valoriza 0,74%, com valor de 73,63 dólares, enquanto a cotação do crude WTI cresce 1,25%, para 71,93 dólares por barril.

No mercado cambial o euro desvaloriza 0,34%, para 1,18 dólares.

Recomendadas

Geração “millennial” deverá continuar a impulsionar as bolsas nos próximos anos

Nestes últimos anos, uma geração de jovens altamente qualificados e à vontade com as novas tecnologias, conhecidos por pertencerem à geração dos “millennials”, alimentou aquele que é já o maior Bull Market da nossa história.

Tecnológicas pressionam Wall Street. Empresa de software parceira de Trump vê títulos dispararem mais de 1000%

Num dia marcado pela queda de 10% da Intel e de 20% da empresa mãe do Snapchat, a gigante de software que colaborou na campanha eleitoral de Donald Trump, em 2020, vê as suas ações a dispararem mais de 1000% depois das notícias de que a Phunware irá colaborar na criação da rede social de Trump, ‘Truth’.

PremiumPSI-20 em máximos de maio de 2018

O principal índice da bolsa de Lisboa segue impulsionado pela energia, retalho, correios e pasta. Principais praças mundiais perto dos máximos históricos e Dow Jones regista recorde.
Comentários