PSI-20 perde mais de 2%. BCP encerra sessão com queda superior a 3%

O principal índice bolsista português terminou a semana, a descer 2,28%, para 5.063,87 pontos, seguindo a tendência das suas congéneres europeias.

Reuters

O principal índice bolsista português, PSI 20, terminou a semana, a descer 2,28%, para 5.063,87 pontos, seguindo a tendência das suas congéneres europeias.

A fazer descer o PSI 20 estiveram, entre as principais cotadas portuguesas, o BCP, que tombou 3,84%, para 14 cêntimos, depois de o Jornal Económico noticiar esta sexta-feira que o banco vai avançar com 800 rescisões amigáveis e poderá recorrer ao despedimento coletivo.

A EDP Renováveis, que desceu 3,19%, para 18,82 euros e a EDP que desvaloriza 2,29%, para 4,57 euros.

Em terreno negativo encontram-se também a petrolífera Galp, que caiu 3,11%, para 9,60 euros, a Navigator, que perdeu 2,38%, para 2,87 euros a construtora Mota-Engil, que depreciou 1,45%, para 1,42 euros e a Sonae SGPS, que desceu 2,77%, para 0,78 euros.

A negociar com sinal ‘verde’ no fecho da sessão estiveram apenas a Novabase, que subiu 1,45%, para 4,21 euros, e Ramada, que cresceu 1,02%, para 5,96 euros.

“A sessão foi de perdas algo expressivas nos mercados de ações, com o PSI20 a ser o mais castigado, ao recuar 2,3%. O setor da Banca tombou quase 3%”, refere Ramiro Loureiro, analista de mercados do Millenium investment banking.

Na Europa, todas as praças encerraram no ‘vermelho’ e a maioria a tombar mais de 1%. Na Alemanha, o DAX desce 1,77%, no Reino Unido, o FTSE 100 cai 1,95%, o francês CAC 40 desvaloriza 1,46%, o holandês AEX, desce 2,08%, enquanto em Espanha, o IBEX35 cai 1,83% e em Itália, o FTSE MIB deprecia 1,89%.

A cotação do barril de Brent valoriza 0,74%, com valor de 73,63 dólares, enquanto a cotação do crude WTI cresce 1,25%, para 71,93 dólares por barril.

No mercado cambial o euro desvaloriza 0,34%, para 1,18 dólares.

Recomendadas

Dow Jones rompe barreira dos 35 mil pontos em dia de ganhos em Wall Street

Depois das quedas de segunda-feira, os mercados norte-americanos fecharam mais uma semana no verde, conseguindo o quarto dia seguido de ganhos e alcançando novos máximos históricos.

Carregosa defende que atual fase do ciclo económico “deverá continuar a suportar o mercado de dívida”

“Relativamente ao nosso posicionamento, e uma vez que deveremos continuar a ter estabilidade nos spreads de crédito, vemos boas oportunidades em obrigações de High Yield, convertíveis, híbridas, verdes e fallen angles. Contudo, preferimos maturidades até aos 5 anos”, diz a análise do Banco Carregosa.

Terceiro trimestre pode ver “correção de mercado entre 5% a 10%”, aponta Banco Carregosa

A análise trimestral do Banco Carregosa coloca os mercados em linha para um correção que é vista com “bons olhos”, dado o baixo impacto dos “excelentes” resultados recentes na performance dos ativos.
Comentários