PSI-20 termina semana com ganhos. Jerónimo Martins e Altri subiram mais de 2%

A praça lisboeta acompanhou as subidas das congéneres europeias. A NOS manteve-se em contraciclo, com um deslize de 0,53%, para 4,87 euros.

Simon Dawson/Reuters

A Bolsa de Lisboa encerrou a sessão desta sexta-feira (dia 24 de janeiro) com ganhos, impulsionada sobretudo pelas subidas das suas congéneres europeias e pela performance de títulos como os da Altri (+3,22%, para 6,09 euros), Jerónimo Martins (+2,50%, para 15,83 euros), CTT – Correios de Portugal (+2,21%) e EDP – Energias de Portugal (+2,17%).

André Pires, analista da XTB, recorda que a empresa liderada por Pedro Soares dos Santos viu a sua recomendação a ser elevada para “compra” pelo Jefferies. “A retalhista recupera-se, assim, um pouco das perdas resultantes aos receios em torno do coronavírus”, adianta, numa nota de mercado divulgada hoje.

O principal índice bolsista nacional terminou, assim, a semana com uma subida de 0,99%, para os 5.286,48 pontos. “A Galp registou uma underperformance relativa, num dia marcado pela descida do preço do crude nos mercados internacionais”, referiram os analistas do CaixaBank/BPI Research. No PSI-20, avançaram ainda as ações do BCP (+0,11%), Sonae (+0,72%), Mota-Engil (+1,49%) ou Navigator (+1,03%).

Já a EDP Renováveis subiu 1,24%, para 11,40 euros, um dia depois informar que chegou a acordo com a Engie para a criação de uma joint venture no segmento eólico offshore, devendo iniciar atividade com uma capacidade total de 1,5 gigawatts (GW) em construção e 3,7 GW em desenvolvimento.

Por outro lado, a operadora de telecomunicações fechou em contraciclo. A NOS perdeu 0,53% para 4,87 euros, na sequência do anúncio da renúncia do presidente do conselho de administração da empresa e de dois administradores não-executivos, por estarem ligados ao caso “Luanda Leaks” sobre os negócios da empresária angolana Isabel dos Santos.

As restantes praças do ‘Velho Continente’ terminam o dia igualmente no ‘verde. O índice alemão DAX cresceu 1,40%, o britânico FTSE 100 ganhou 1,06%, o francês CAC 40 somou 0,88%, o holandês AEX subiu 1,42%, o espanhol IBEX 35 avançou 0,44% e o italiano FTSE MIB valorizou 1,11%. O Euro Stoxx 50 ficou marcado por uma valorização de 1,14%.

Em relação aos preços do petróleo, a cotação do barril de Brent tomba 2,30%, para 60,61 dólares, enquanto a cotação do crude WTI cai 2,55%, para 54,17 dólares por barril. Quanto ao mercado cambial, o euro deprecia os ligeiros 0,28% face ao dólar (1,1021) e a libra esterlina “desvaloriza” 0,44% perante a divisa dos Estados Unidos (1,3064).

Ler mais

Recomendadas

“Corremos o risco de a zona euro quebrar”, afirma governador do Banco de Portugal

Carlos Costa diz que “nenhuma economia está preparada para uma crise desta natureza” e volta a defender os ‘coronabonds’, em entrevista ao semanário “Expresso”.

Wall Street cai mais de 3% apesar da “bazuca” de 2,2 biliões de dólares

Março de 2020 ficará para a história dos mercados como um dos meses mais loucos de sempre. NYSE fechou em queda num dia em que Congresso dos Estados Unidos entrega um pacote de resgate de 2,2 biliões de dólares.

Bolsas regressam às quedas com setor automóvel a liderar. BCP cai 4% ao adiar dividendos

As desvalorizações mais expressivas dos setores Auto e de Viagens & Lazer espelham a preocupação dos investidores quanto à evolução da pandemia Covid-19, segundo a análise do analista da Mtrader. O BCP cai em bolsa 4% depois de cancelar dividendos e em dia de moratória de créditos.
Comentários