PSI 20 em terreno negativo penalizado pela F. Ramada e Jerónimo Martins

Praça lisboeta abriu a sessão desta sexta-feira a cair 0,40%, para 5.019,57 pontos. Sinal vermelho estende-se às praças europeias.

O principal índice português PSI 20 iniciou a sessão desta sexta-feira a desvalorizar 0,40%, para 5.019,57 pontos. Uma tendência que se aplica também às cotadas europeias com exceção de Espanha.

A fazer tombar o PSI 20 estão entre as principais cotadas portuguesas a Jerónimo Martins, que cai 1,11%, para 15,66 euros, a Francisco Ramada que desce 2,95%, para 5,92 euros e a construtora Mota-Engil, que desvaloriza 1,09%, para 1,99 euros.

Das cotadas nacionais a negociarem no ‘verde’ neste início de sessão apenas escapam o BCP que cresce 0,39%, para 0,20 euros e a RENE que sobe 0,40%, para 2,52 euros.

Na Europa as cotadas abriram a sessão a negociar no vermelho. Na Alemanha, o DAX desce 0,19%, no Reino Unido, o FTSE 100 cai 0,08%, o francês CAC 40 desvaloriza 0,06%, o holandês AEX desce 0,18%. Em Espanha, o IBEX35 valoriza 0,25% e o italiano FTSE MIB sobe 0,20%.

A cotação do barril de Brent valoriza 0,45%, com valor de 64,69 dólares, enquanto a cotação do crude WTI cresce 0,62%, para 58,55 dólares por barril.

No mercado cambial o euro desvaloriza 0,13%, para 1,10 dólares.

Ler mais

Recomendadas

Bolsa portuguesa encerra em baixa após três sessões no verde. Queda superior a 2% dos CTT penalizou PSI 20

A bolsa nacional não escapou à conjuntura externa dos mercados bolsistas e acabou por interromper um ciclo de três sessões consecutivas fechadas em terreno positivo.

Wall Street contraria bolsas europeias e abre no ‘verde’

O industrial Dow Jones abriu a valorizar 0,12% para 27,087 pontos, o financeiro S&P 500 subiu 0,01% para 3,316 pontos enquanto que a tecnológica Nasdaq segue a tendência ao valorizar 0,13% para 11,106 pontos.

Tensões entre EUA e China penalizam bolsas europeias. Quebra de quase 3% dos CTT penaliza PSI 20

O principal índice bolsista português cai 1,11%, para 4.353,95 pontos, em linha com as principais congéneres europeias.
Comentários