PSI 20 em terreno negativo penalizado pela F. Ramada e Jerónimo Martins

Praça lisboeta abriu a sessão desta sexta-feira a cair 0,40%, para 5.019,57 pontos. Sinal vermelho estende-se às praças europeias.

O principal índice português PSI 20 iniciou a sessão desta sexta-feira a desvalorizar 0,40%, para 5.019,57 pontos. Uma tendência que se aplica também às cotadas europeias com exceção de Espanha.

A fazer tombar o PSI 20 estão entre as principais cotadas portuguesas a Jerónimo Martins, que cai 1,11%, para 15,66 euros, a Francisco Ramada que desce 2,95%, para 5,92 euros e a construtora Mota-Engil, que desvaloriza 1,09%, para 1,99 euros.

Das cotadas nacionais a negociarem no ‘verde’ neste início de sessão apenas escapam o BCP que cresce 0,39%, para 0,20 euros e a RENE que sobe 0,40%, para 2,52 euros.

Na Europa as cotadas abriram a sessão a negociar no vermelho. Na Alemanha, o DAX desce 0,19%, no Reino Unido, o FTSE 100 cai 0,08%, o francês CAC 40 desvaloriza 0,06%, o holandês AEX desce 0,18%. Em Espanha, o IBEX35 valoriza 0,25% e o italiano FTSE MIB sobe 0,20%.

A cotação do barril de Brent valoriza 0,45%, com valor de 64,69 dólares, enquanto a cotação do crude WTI cresce 0,62%, para 58,55 dólares por barril.

No mercado cambial o euro desvaloriza 0,13%, para 1,10 dólares.

Ler mais
Recomendadas

Libra em alta depois de Barnier afirmar que um acordo para o Brexit é possível esta semana

Londres e Bruxelas continuam a negociar a saída do Reino Unido da União Europeia a poucos dias da reunião do Conselho Europeu de 17 e 18 de outubro em Bruxelas, que tem sido encarada como a última oportunidade para evitar uma saída britânica sem acordo. Os mercados, sobretudo o segmento cambial, têm sido voláteis no que respeita ao Brexit

Galp, Mota-Engil, BCP e Navigator impulsionam bolsa de Lisboa

Em Lisboa, catorze empresas cotadas valorizam, duas desvalorizam e outras duas negoceiam sem variação.

PremiumOs investidores sentem falta do dinamismo da bolsa portuguesa

Ricardo Seixas, administrador-delegado da Fidentiis Gestión, diz em entrevista, que a bolsa não reflete o tecido empresarial português.
Comentários