Publicidade ao chocolate vai ser quase extinta

A guerra ao açúcar vai provocar uma forte redução da publicidade de produtos como chocolate, bolos, iogurtes, fiambre, queijo ou cereais de pequeno almoço.

A guerra ao açúcar em Portugal vai provocar uma grande redução na publicidade dirigida a menores de muitos iogurtes e do chocolate, avança o jornal Público esta terça-feira, 23 de julho.

Entre os produtos que vão deixar de ser publicitados junto a escolar, parques infantis, redes sociais, e em programas de televisão e de rádio encontram-se chocolates, bolos, gelados, refrigerantes, bolachas, cereais de pequeno-almoço, iogurtes, fiambre, queijo ou refeições pré-preparadas.

A lei que restringe esta publicidade entrou em vigor há três meses, e devia arrancar em junho, mas a Direção-Geral de Saúde (DGS) ainda precisa de publicar o despacho com o perfil nutricional  destes alimentos.

A DGS alega que ainda está a consultar “parceiros, como peritos e a indústria agro-alimentar, considerando que 60 dias é um “período manifestamente curto”.

Um especialista consultado pelo Público, que pediu o anonimato, disse que “não haverá um chocolate à venda no país que consiga escapar à proibição de publicidade”.

Recomendadas

Telefónica analisa compra parcial da Oi, avaliada em 6 mil milhões

A Oi é detida em cerca de 5% pela Bratel da portuguesa Pharol, ex-PT SGPS, que por sua vez tem como acionista o Novo Banco com ​9,56%. E o BCP tem poder para vender os 9,99% da High Bridge por conta de uma dívida bancária não paga.

ASF aprova norma que estabelece qualificação adequada para vendedores de seguros

A ASF entende que o reforço da qualificação “em impacto na qualidade da prestação de serviços, na diminuição da conflitualidade e do número de reclamações, o que, por seu turno, acarreta consequências positivas em termos reputacionais e da imagem do setor”.

Portugal vai “perder 200 milhões de euros num ano” mas Altice não vai “estorvar” compra da TVI

O processo de compra da dona da TVI pela Altice, por 440 milhões de euros, caiu por terra em junho do ano passado, quando o grupo espanhol Prisa, dono da Media Capital, confirmou a desistência do negócio. Hoje Alexandre Fonseca voltou a criticar a Autoridade da Concorrência (AdC) por durante meses não se ter pronunciado sobre o negócio.
Comentários