Qantara Capital investe em parque logístico e hotel em Grândola

O projeto do parque logístico em Grândola terá uma área total de 130 hectares, com 630 mil metros quadrados de área de construção e 300 mil metros quadrados de infraestruturas adjacentes.

A sociedade imobiliária Qantara Capital assinou esta semana com a Câmara Municipal de Grândola uma minuto de um contrato de planeamento para a construção de um parque logístico que ficará situado a oito quilómetros do centro de Grândola.

“A Qantara Capital apresentou ainda o projeto para a construção de um hotel de 4 estrelas no centro da vila, com cerca de 50 quartos e 100 camas, destinado a clientes empresariais e turistas”, adianta um comunicado da promotora imobiliária, acrescentando que se tratam de “dois projetos estratégicos para o município do litoral alentejano”.

Sobre o Parque Logístico de Grândola, que vai ficar situado junto ao IC1 e à linha ferroviária do Sul, a Qantara Captial considera que esta é “uma localização estratégica e conectada com o porto de Sines e a nova ligação ferroviária do Corredor Internacional Sul para Espanha e para a Europa, fundindo-se assim com a cadeia global de abastecimento e a rede industrial de Portugal”.

Este projeto terá uma área total de 130 hectares, com 630 mil metros quadrados de área de construção e 300 mil metros quadrados de infraestruturas adjacentes.

“O projeto conta com 24 lotes industriais com cerca de 25 mil metros quadrados cada, com escala e modularidade para servir uma ampla gama de empresas (linhas de montagem, operadores de ‘e-commerce’, armazéns e empresas de transportes, etc), um ramal e um terminal ferroviário de carga privado, com conexões para o sul e para o norte do país, e uma extensa plataforma para armazenamento de contentores e vagões ferroviários”, revela o referido comunicado.

Segundo os responsáveis da Qantara Capital, “o Parque Logístico de Grândola vai disponibilizar ainda um espaço de 15 mil metros quadrados, incluindo hotel, restaurantes, lojas, escritórios e estacionamento com carregamentos elétricos e posto de combustível. 75 mil metros quadrados serão dedicados a um viveiro de plantas e a um centro de jardinagem, e os restantes 240 mil metros quadrados serão preservados com paisagem natural de carvalhos e pinheiros”.

“O projeto aposta na sustentabilidade e segue os padrões LEED (‘Leadership in Energy and Environmental Design’). Vai ainda disponibilizar serviços complementares de creche e jardim de infância, ginásio e um espaço de formação profissional para ‘upskill’ e/ou ‘reskill’ de competências. O planeamento ficou a cargo da empresa portuguesa CISED Consultores, em parceria com investigadores do Instituto Superior Técnico. O início da construção do Parque Logístico de Grândola está previsto para 2023 e vai ser desenvolvido em quatro fases. Trata-se de um investimento de interesse público elegível para o Plano de Recuperação e Resiliência”, assinala o comunicado em questão.

Quanto à nova unidade hoteleira projetada, designada Hotel Jardins de Grândola, tem construção prevista para 2022 e conclusão projetada para 2023.

“Trata-se de um projeto de reabilitação urbana no centro da vila, em frente ao Jardim 1º de Maio, o projeto contempla um hotel com cerca de 50 quartos e 100 camas, com ‘lobby-bar’, restaurante, centro de eventos (espaço modular dividido entre uma grande sala de conferências e três pequenas salas de reuniões, com capacidade para um total de 150 pessoas) e piscina exterior, e ainda por um edifício residencial com três apartamentos duplex e duas ‘penthouses’. As duas infraestruturas são servidas por um parque de estacionamento subterrâneo para hóspedes, proprietários e visitantes, com cerca de 50 lugares”, adianta o mesmo comunicado.

Os responsáveis da Qantara Capital destacam aque “o hotel posiciona-se no segmento ‘boutique lifestyle’ e assume-se como um ‘hub’ jovem e criativo, que funcione como um verdadeiro ponto de encontro na vila”.

“Oferece condições de alojamento de longa duração, mobilado e com serviço, quer para profissionais a trabalhar na região, quer para grupos e famílias em diferentes períodos do ano. E responde aos investimentos sem precedentes nas áreas de indústria, transportes, agricultura, energia e turismo que o município e a região têm sido alvo”, assegura a promotora imobiliária.

O projeto de arquitetura desta nova unidade hoteleira é da autoria do ‘atelier’ Promontório e o conceito arquitetónico é fundado no imaginário da chamada arquitetura “chã” alentejana – “uma expressão monolítica de grande simplicidade, em que pequenos vãos são recortados no grande volume caiado de branco”.

“Arcadas na rua e pórticos nas varandas são algumas das marcas do projeto. Elementos intencionalmente decorativos, embora também funcionais, como as cornijas de telha canudo, evocam aspetos de revisitação do imaginário pós-modernista”, precisa o referido comunicado..

Hadrien Fraissinet, CEO da Qantara Capital, revelou a sua satisfação por poder desenvolver estes dois projetos num “município com muito potencial e características excecionais” e as “enormes oportunidades de desenvolvimento e investimento que Grândola oferece para além dos óbvios empreendimentos na zona costeira”.

O responsável da entidade promotora destacou ainda a postura do município enquanto “interlocutor com uma estratégia de longo prazo e uma abordagem construtiva e transparente para o desenvolvimento de projetos estruturantes no concelho”.

“Esta combinação levou-nos a construir uma carteira diversificada de projetos imobiliários neste concelho, dos quais apresentámos hoje dois. Esperamos manter este espírito de colaboração com o município e com as entidades regionais e nacionais envolvidas no desenvolvimento destes dois projetos estratégicos”, sublinha Hadrien Fraissinet.

Por seu turno, a Câmara Municipal de Grândola saúda o arranque de dois projetos estruturantes para Grândola e para toda a região do Alentejo Litoral.

“Entre as prioridades da autarquia de Grândola estão o desenvolvimento económico do concelho, o crescimento da região e o consequente aumento da qualidade de vida da nossa população. E nesse sentido, Grândola tem desenvolvido uma importante ação de atração de investimento para a região.  É nesta perspetiva que se enquadram estes dois investimentos importantes que agora anunciamos, e que vão permitir, por um lado criar emprego e riqueza no nosso concelho e por outro lado atrair visitantes e aumentar o turismo”, salientou António Figueira Mendes, presidente da Câmara Municipal de Grândola.

A Qantara Capital é uma empresa privada de investimento e consultoria, que opera nos setores do imobiliário e dos recursos naturais.

O CEO Hadrien Fraissinet desenvolve projetos em Portugal desde 2015.

No entanto, não foram revelados os valores de investimento nestes dois empreendimentos.

Recomendadas

Corum e Pingo Doce renovam contratos de arredamento de oito imóveis

Dois dos imóveis encontram-se na Área Metropolitana de Lisboa e são detidos pelo fundo Corum XL, os outros seis edifícios pertencem ao fundo Corum Origin e situam-se nas regiões norte e centro. A renovação é válida até 2031.

Lumino. Projeto de 150 milhões vendeu 95% das primeiras unidades a clientes nacionais

Localizado no Campo Pequeno, este empreendimento será composto por 300 apartamentos, sendo que dos primeiros 97 faltam vender 21 unidades.

JLL e Morais Leitão apoiam SPX na compra de créditos da CGD garantidos por terrenos na Quinta do Lago

O investidor SPX – International Asset Management fechou negócio com a Caixa Geral de Depósitos com a intenção de reforçar a sua presença neste empreendimento do Algarve, onde adquiriu créditos hipotecários garantidos por ativos para promoção de habitação turística.
Comentários