Qashqai. Cada vez mais próximo da mobilidade inteligente

Como é que os carros vão interagir com as pessoas? Até onde pode ir a condução autónoma? Como chegar verdadeiramente às emissões erro? Estes temas ainda não têm a cabal resposta do mais recente Nissan Qashqai 1.6 dCi, mas as respostas veem a caminho.

Os paradigmas ligados à mobilidade foram o tema de um recente fórum da marca que centrou a atenção nos Leaf, mas é o Qashqai que dentro da marca japonesa continua a ser o campeão de vendas.

E o que tem o novo modelo de diferente. Desde logo a possibilidade de condução autónoma ProPILOT, permitindo automatizar algumas funções de controlo de direção, aceleração e travagem e que pode ser acionado numa autoestrada onde se conduz a alta velocidade, ou numa via congestionada que se faz todos os dias de casa para o trabalho e vice-versa. O sistema agrega a tecnologia de manutenção na faixa de rodagem, o controlo de velocidade de cruzeiro e o chamado piloto de trânsito, mas o Qashqai traz mais tecnologia como seja o alerta do tráfego na traseira com aviso sonoros e imagens. Também o sistema anticolisão com avisos sonoros e o reconhecimento dos peões faz parte deste novo equipamento. Estes módulos foram adicionados a outros sistemas instalados em versões anteriores como o reconhecimento dos sinais de trânsito, o alerta de fadiga do condutor ou a visualização inteligente a 360 graus. E para quem tem dificuldade em fazer o ponto de embraiagem nas subidas, o sistema de paragem assistida para embraiagens manuais resolve o tema pois não deixa descair o veículo. Mais. Pode manter o veículo estático durante três minutos e no final deste tempo é ativado automaticamente o travão de mão. O sistema funciona em qualquer tipo de terreno e com qualquer inclinação. Deixou de haver receios do deslize do carro após uma paragem.
Em termos de grupos propulsores o experimentado foi o 1.6 dCi de 130 cv com uma caixa manual de seis velocidades. Em termos de recuperação não há nada a apontar, enquanto nos consumos conseguimos ficar próximos do anunciado pelo construtor em circuito de estrada com velocidade reduzida. O construtor anuncia 4,4 l aos 100 Km e conseguimos fazer 4,6 l/100 Km. No entanto, o consumo médio para uma velocidade dentro dos 120 Km/h e com o veículo carregado é da ordem dos 6,5 l/100 Km.

É de realçar a função e “estradista” deste veículo, a redução do ruído relativamente a versões anteriores e sobretudo o equipamento de climatização e de iluminação. Na versão de topo o sistema dos máximos adaptativos com iluminação LED coloca o Nissan Qashqai ao nível das marcas premium. A diferença para os melhores é zero. Ainda no que respeita ao ruído é de destacar a inovação ligada à tecnologia que a marca denomina de “gerador de vórtices” e que está integrada na parte inferior do para-choques frontal. Explica a marca que “estas secções ligeiramente elevadas nas superfícies suaves do para-choques dividem o fluxo de ar por baixo do automóvel”. Este desenho “ajuda a reduzir o atrito e mitiga ao ruído do vento”. Diz ainda a marca que sendo uma inovação pioneira na aerodinâmica automóvel, foi apresentado um pedido de patente.

Um último pormenor de conforto para longas viagens e que é o novo sistema áudio de oito colunas e que é fornecido pela BOSE. De destacar os dois woofers que estão montados na caixa montada na cava da roda sobressalente.