Qualidade da gestão, um desafio central da nossa economia

Portugal tem de deixar de ser uma economia baseada na competitividade-custo para se afirmar em termos de competitividade-valor.

Vários factores influenciam a qualidade da gestão. Para além dos factores exógenos à empresa – nomeadamente a estabilidade ou instabilidade do quadro institucional – e que interferem positiva ou negativamente nas dinâmicas empresariais e respectivos negócios, temos, naturalmente, os factores endógenos e, desde logo, a organização e o modelo de gestão. Nestes, o sistema de educação do país assume papel central no desenvolvimento de competências, aos vários níveis da hierarquia, que podem influenciar a produtividade.

Há muito que esta Confederação defende um modelo de desenvolvimento do país baseado na criação de valor. Isto é, temos que deixar de ser uma economia baseada na competitividade-custo para nos afirmarmos em termos de competitividade-valor. Neste contexto, o principal elemento de competitividade continua a ser o talento humano, mas enquadrado num novo perfil de qualificações.

Apesar dos progressos registados, continua a haver fragilidades em matéria de qualificações (a que acresce o problema, cada vez mais óbvio, da falta de mão-de-obra ditada pelos problemas demográficos e pela insuficiência de políticas destinadas a captar recursos humanos qualificados no exterior). Esta realidade conduz à necessidade de intervenção em múltiplos domínios do Sistema de Ensino e Formação em Portugal. Neste sistema, incluem-se a Educação e Formação dos Jovens, a Educação e Formação de Adultos e o Ensino Superior.

A CCP tem várias propostas para estas áreas, mas gostaria de deixar aqui algumas das nossas iniciativas orientadas para um melhor ambiente de negócios e a melhoria da gestão das empresas, que podem interessar a quem nos lê.

O Fórum dos Serviços tem em curso um estudo sobre a captação de talento, que procura caracterizar as necessidades reais das empresas em matéria de competências e analisar as políticas seguidas por países de referência em matéria de atractividade de investimento internacional e captação de talento.

Os projectos de formação e de formação acção que promovemos visam sensibilizar as PME para a importância da gestão de inovação, identificar novas oportunidades de negócio e proporcionar às organizações o desenvolvimento de estratégias de inovação.

Destaco também a nossa aposta em estruturas de ensino, como a Escola do Comércio, e de formação, como o CECOA, bem como os protocolos com instituições do ensino superior. Finalmente, estamos a desenvolver uma Especificação Técnica, no âmbito do “Sistema de reconhecimento da qualidade do serviço das pequenas e médias empresas do comércio e serviços”, que tem como objetivo principal promover a adopção de boas práticas de gestão com vista a melhorar a eficácia e eficiência dos processos da organização e melhorar a satisfação do cliente.

Pretende-se proporcionar às micro, pequenas e médias empresas dos sectores do comércio e dos serviços uma poderosa ferramenta de trabalho, para iniciarem programas de melhoria contínua, tornando-se assim mais competitivas.

O autor escreve de acordo com a antiga ortografia.

Recomendadas

Adivinhar o futuro

É necessário o relançamento de uma política fiscal que favoreça a atividade empresarial, sobretudo que permita o incremento da competitividade.

Dividir Google, Amazon, Facebook, Apple e Microsoft: o Oriente agradece

Atualmente, quando se pensa na divisão das megaempresas para ganhar terreno no plano concorrencial, não se pode pensar apenas no plano económico, também importa pensar no plano geopolítico.

Uma rua portuguesa

Temos um Estado que manda em tudo mas ao qual ninguém obedece, e ninguém lhe obedece em parte precisamente porque manda em tudo.
Comentários