PremiumProdução de vinho: Qualidade superior à vista

As regiões vitivinícolas mais a norte enfrentam quebras de produção, mas as expectativas positivas sobre a qualidade são generalizadas. Balanços da vindima de 2020 pelos líderes de sete CVR: Alentejo, Península de Setúbal, Tejo, Lisboa, Beira Interior, Dão e Bairrada.

De acordo com as previsões de Francisco Mateus, presidente da CVR – Comissão Vitivinícola da Região do Alentejo, a produção de vinho nesta campanha deve crescer 5% face a 2019, atingindo cerca de 104 milhões de litros. “Dadas as condições climatéricas do ano, com maior pluviosidade e mais dias de chuva do que em 2019, houve reposição de água nos solos e mais humidade, tendo havido focos de míldio, mais localizados no sul do Alentejo, e situações de desavinho”, resume Francisco Mateus, em declarações ao Jornal Económico, referindo-se às situações em que ocorre um aborto parcial do cacho que impede a sua perfeita maturação ou um acidente que impede a fecundação das flores da videira.

Segundo o líder da CVR Alentejo, “julho teve um início bastante quente, com registos pontuais de escaldão, e final de mês, que continuou em agosto, com noites frescas o que ajudou à maturação”. Por isso, “as primeiras vindimas iniciaram-se no final de julho, com uvas brancas, tendo entrado em ritmo mais acelerado na segunda quinzena de agosto, prolongando-se até ao final de setembro. Sobre a qualidade da produção, Francisco Mateus assume que “antevemos um ano de boa qualidade, com produção global superior a 2019, mas com registo pontual de perdas com significado em alguns produtores, o que levou à ativação de seguros de colheita.”

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumDeolinda Silva: “Indústria alimentar pode ser exportadora líquida num futuro próximo”

As exportações do sector agroalimentar português cresceram cerca de 20% entre 2015 e 2019. Nesse ano, as empresas associadas da PortugalFoods exportaram 830 milhões de euros, um crescimento de 40% no período em causa.

POSEI assegurado até 2022 mas depois terá corte de 3,9%, diz ministra da Agricultura

“Portugal, em sede de negociação do quadro financeiro, defendeu a manutenção deste envelope financeiro. Não foi possível”, referiu Maria do Céu Antunes no parlamento.

Candidaturas a apoios de 50 milhões para vinha prolongadas até fevereiro

Face ao previsível condicionamento de mobilidade, por força da evolução da pandemia de covid-19, o Instituto da Vinha e do Vinho prorrogou o prazo de apresentação das candidaturas ao Regime de Apoio à Reestruturação e Reconversão da Vinha”, indicou, em comunicado, o Ministério da Agricultura.
Comentários