Quanto é que polui uma central elétrica? Agora já é possível saber

Uma empresa de inteligência artificial, sem fins lucrativos, chamada WattTime vai usar imagens satélite para rastrear a poluição do ar (incluindo as emissões de carbono) provocada por todas as centrais de energia do mundo e em tempo real.

David Gray/Reuters

A WattTime, uma empresa de inteligência artificial sem fins lucrativos, vai utilizar as imagens capturadas por satélite para rastrear (com precisão) os níveis de poluição do ar emitidas pelas centrais elétricas, em todo o mundo e em tempo real.

A notícia é avançada pela “Vox”, que informa que este projeto está a ser desenvolvido em colaboração com o Carbon Tracker (um think tank que faz a análise financeira de centrais elétricas) e a Google.org (a ala filantrópica do Google) que investiu 1,7 milhões de dólares para a concretização do plano. Para além disso, conta com o apoio do World Resources Institute, que opera o banco de dados global mais abrangente de centrais elétricas.

Os resultados poderão deixar algumas gigantes energéticas (e governos) preocupados dado que vão ser divulgados ao público e poderão dificultar o contorno das restrições de poluição impostas por lei. A empresa espera assim acabar de forma eficaz a má gestão e a manipulação de dados relativo às emissões.

A WattTime explica que plano é usar informações públicas recolhidas por satélites (como a rede Copernicus da União Europeia e a rede Landsat dos EUA), bem como informações privados de algumas empresas (como a Digital Globe ) e registos de câmaras térmicas infravermelhas que detectam calor, e a partir daí criar uma base de dados.

Para além de impedir que os relatórios emitidos pelas centrais sejam forjados, a empresa espera que os dados possam impulsionar projetos de energias renováveis.

Poluição do ar duplica e mata mais do que o tabaco

O número de mortes prematuras causadas pela poluição do ar duplicou, tendo causado cerca de 8 milhões de mortes em 2015. O novo estudo publicado no ”European Heart Journal” concluí também que o ar tóxico é mais fatal do que o fumo do tabaco.

Os cientistas usaram novos dados para estimar que cerca de 800 mil pessoas morrem prematuramente anualmente na Europa devido ao ar sujo, e que cada vida é interrompida por uma média de mais de dois anos. O estudo revela que os danos para a saúde causados ​​pela poluição do ar na Europa são superiores à média global.

Segundo o último relatório da State of Global Air , a poluição do ar é o quinto maior risco global de mortalidade. Causam cinco milhões de mortes precoces e 147 milhões de anos de vida saudável perdidos todos os anos, e os países que têm as maioria das centrais de energia são os maiores alvos da poluição do ar.

Ler mais
Relacionadas

Poluição do ar terá causado a morte a 15 mil pessoas em Portugal em 2015

A previsão dos cientistas é superior à da Agência Europeia do Ambiente e da Organização Mundial de Saúde, que era de 6.690 mortes nesse ano.

“É urgente agir”. Perda catastrófica de biodiversidade ameaça humanidade, alerta ONU

Este é o aviso que cerca de 400 cientistas fazem no mais completo e atualizado relatório dos últimos três anos sobre a biodiversidade. “É urgente agir”, dizem cientistas.

Poluição do ar duplica e mata mais do que o tabaco, revela novo estudo

Investigadores dizem que o ar poluído está a matar cerca de 800 mil pessoas por ano na Europa e pressionam entidades para a eliminação gradual da queima de combustíveis fósseis.
Recomendadas

G20 cria estrutura para sensibilizar sobre plástico nos oceanos

Ministros da Energia e do Meio Ambiente acordaram em criar uma estrutura internacional que sensibilize os países membros para a necessidade de reduzir o plástico nos oceanos.

Quercus denuncia à UNESCO “ameaça severa” no Barroso por causa do lítio

Para a associação ambientalista, a instalação de minas de lítio a céu aberto na região é uma ameaça severa à integridade do sistema agro-silvo-pastoril da região do Barroso”.

Contra as alterações climáticas e em defesa do planeta. António Guterres é capa da “Time”

De fato e com água até aos joelhos, António Guterres é capa da revista norte-americana Time. A edição dedicada à luta contra as alterações climáticas chega às bancas na próxima semana.
Comentários