Quanto perdeu cada português com a introdução do euro? ‘Think Tank’ alemão calcula impacto

Num estudo do think-tank alemão ‘Centre for European Policy’, os economistas Alessandro Gasparotti e Matthias Kullas concluíram que a Alemanha foi o país que mais beneficiou do impacto do euro por habitante. No extremo oposto da tabela, logo atrás de Portugal, estão França e Itália.

Nos 20 anos desde a entrada em vigor da moeda única europeia, cada português ficou cerca de 41 mil euros mais pobre (ou teve um impacto negativo nesse montante), de acordo com um estudo do think-tank alemão Centre for European Policy, publicado esta segunda-feira.

No estudo “20 Years of the Euro: Winners and Losers”, os economistas Alessandro Gasparotti e Matthias Kullas concluíram que a Alemanha foi o país que mais beneficiou do impacto do euro por habitante, com cada alemão a ter beneficiado cerca de 23 mil euros. No extremo oposto da tabela e atrás de Portugal, estão França e Itália, com um impacto negativo de cerca de 56 mil e 74 mil euros por habitante, respetivamente.

“Portugal beneficiou apenas marginalmente do euro nos primeiros anos após a sua introdução. Nos anos seguintes, o euro levou cada vez mais a perdas de prosperidade”, explicam os economistas, que apontam para uma maior perda global na zona euro. “Agregado, deu origem a uma queda na prosperidade de 424 mil milhões de euros no total ou 40.604 per capita”.

Os economistas defendem ainda que Portugal deverá “realizar urgentemente reformas” para aumentar o PIB per capita para “beneficiar do euro a médio prazo”. Neste sentido, defendem quer uma melhoria das condições de enquadramento para o investimento, quer um maior investimento público.

Fonte: Centre for European Policy, “20 Years of the Euro: Winners and Losers”

Os economistas sublinham ainda a disparidade de competitividade entre os países da zona euro. “Isto surge do fato de que os países da zona euro não podem desvalorizar a moeda para permanecer competitivos internacionalmente; um método muito utilizado antes da introdução do euro”, explicam.” Desde a introdução do euro, a erosão da competitividade internacional leva a um crescimento económico mais baixo, a um aumento do desemprego e à queda das receitas fiscais”, acrescentam,

 

Relacionadas

Portugal volta a crescer acima da média da zona euro

No quarto trimestre de 2018, o PIB dos países de moeda única aumentou 0,2%, em termos nominais, segundo os dados divulgados esta quinta-feira pelo Eurostat.
Recomendadas

Confiança dos consumidores da zona euro recua quase 1 ponto de setembro para outubro

A confiança dos consumidores recuou quase um ponto, de setembro para outubro, quer na zona euro, quer na União Europeia (UE), divulgou hoje a Comissão Europeia.

Crise dos combustíveis deverá levar a subida de preços dos serviços até 15% em Portugal (com áudio)

O ajustamento em alta acumula-se ao aumento dos preços na ordem dos 5%, atribuído à retoma económica e ao crescimento da procura no período de desconfinamento em Portugal.

OE2022. UTAO alerta para riscos associados à pandemia e regras de Bruxelas

A unidade técnica lembra que as regras orçamentais de Bruxelas foram suspensas na sequência da pandemia, mas um levantamento desta suspensão pode significar que a “consolidação que não se faça nas condições menos exigentes de 2022 terá que ser feita com menos graus de liberdade em 2023 e anos seguintes”.
Comentários