Quanto perdeu cada português com a introdução do euro? ‘Think Tank’ alemão calcula impacto

Num estudo do think-tank alemão ‘Centre for European Policy’, os economistas Alessandro Gasparotti e Matthias Kullas concluíram que a Alemanha foi o país que mais beneficiou do impacto do euro por habitante. No extremo oposto da tabela, logo atrás de Portugal, estão França e Itália.

Nos 20 anos desde a entrada em vigor da moeda única europeia, cada português ficou cerca de 41 mil euros mais pobre (ou teve um impacto negativo nesse montante), de acordo com um estudo do think-tank alemão Centre for European Policy, publicado esta segunda-feira.

No estudo “20 Years of the Euro: Winners and Losers”, os economistas Alessandro Gasparotti e Matthias Kullas concluíram que a Alemanha foi o país que mais beneficiou do impacto do euro por habitante, com cada alemão a ter beneficiado cerca de 23 mil euros. No extremo oposto da tabela e atrás de Portugal, estão França e Itália, com um impacto negativo de cerca de 56 mil e 74 mil euros por habitante, respetivamente.

“Portugal beneficiou apenas marginalmente do euro nos primeiros anos após a sua introdução. Nos anos seguintes, o euro levou cada vez mais a perdas de prosperidade”, explicam os economistas, que apontam para uma maior perda global na zona euro. “Agregado, deu origem a uma queda na prosperidade de 424 mil milhões de euros no total ou 40.604 per capita”.

Os economistas defendem ainda que Portugal deverá “realizar urgentemente reformas” para aumentar o PIB per capita para “beneficiar do euro a médio prazo”. Neste sentido, defendem quer uma melhoria das condições de enquadramento para o investimento, quer um maior investimento público.

Fonte: Centre for European Policy, “20 Years of the Euro: Winners and Losers”

Os economistas sublinham ainda a disparidade de competitividade entre os países da zona euro. “Isto surge do fato de que os países da zona euro não podem desvalorizar a moeda para permanecer competitivos internacionalmente; um método muito utilizado antes da introdução do euro”, explicam.” Desde a introdução do euro, a erosão da competitividade internacional leva a um crescimento económico mais baixo, a um aumento do desemprego e à queda das receitas fiscais”, acrescentam,

 

Ler mais

Relacionadas

Portugal volta a crescer acima da média da zona euro

No quarto trimestre de 2018, o PIB dos países de moeda única aumentou 0,2%, em termos nominais, segundo os dados divulgados esta quinta-feira pelo Eurostat.
Recomendadas

Covid-19: Mais de 530 mil pessoas vacinadas na região Centro

João Paulo Rebelo falava no âmbito de uma visita que realizou aos concelhos do Fundão e da Covilhã, no distrito de Castelo Branco, e que também contou com a presença do secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales, e da secretária de Estado para a Integração e as Migrações, Cláudia Pereira.

“Governo beneficia casinos mas esquece os trabalhadores”, diz federação intersindical

A Federação intersindical do setor do turismo exige medidas de apoio aos trabalhadores dos casinos, depois do Executivo ter decidido isentar estes estabelecimentos do pagamento do imposto de jogo e prolongado as concessões dos casinos de Lisboa, Estoril e Figueira da Foz, que terminaram a 31 de dezembro de 2020. FESAHT acusa o Governo: “aos patrões do jogo dá tudo, tudo, aos trabalhadores dá nada, nada”.

EUA: Produção industrial sobe pelo segundo mês seguido, apesar de constrangimentos no sector automóvel

A indústria norte-americana beneficiou com a reabertura de várias fábricas dos estados do sul afetados pela tempestade de fevereiro, mas a indústria automóvel penalizou o resultado final, com uma queda de 4,3% na produção a refletir as dificuldades causadas pelos atrasos no fornecimento de chips.
Comentários