Quantos cafés por dia podem reduzir risco de morte precoce?

O estudo, que envolveu 19.896 participantes, mostra que as pessoas que consumem frequentemente café têm menos 64% de risco de morte precoce, em comparação com as pessoas que não bebem ou que consumem raramente café.

Um estudo realizado por uma equipa de investigadores do Hospital de Navarra, em Espanha, mostra que beber quatro chávenas de café por dia por reduzir o risco de morte precoce em dois terços. As conclusões do estudo sugerem que os compostos antioxidantes presentes no café podem beneficiar a saúde do coração e prevenir outras doenças, com o cancro.

“Descobrimos uma relação inversa entre beber café e o risco de mortalidade, particularmente em pessoas a partir dos 45 anos”, afirmou a cardiologista Adela Navarro, do Hospital de Navarra, durante o congresso anual da Sociedade Europeia de Cardiologia, que decorreu no passado domingo.

O estudo, que envolveu 19.896 participantes entre os 25 e os 60 anos de idade durante uma década, mostra que as pessoas que consumem frequentemente café têm menos 64% de risco de morte precoce, em comparação com as pessoas que não bebem ou que consumem raramente café.

O estudo indica que cada dois cafés estavam associados a uma queda relativa de 22% na mortalidade, podendo resultar num  risco de morte absoluto abaixo de 1% no caso de as pessoas consumirem quatro ou mais cafés.

“Eu aconselharia a beber bastante café, pois pode ser bom para o coração”, afirma Adela Navarro.

Recomendadas

Sondagem. Mais de um terço acredita que a vacinação está a correr mal

Além de acreditarem que o Governo não está a ter capacidade para cumprir o plano de vacinação,, 54% dos inquiridos não gosta da ideia de que tenha sido dada prioridade à imunização de políticos.

Marcelo Rebelo de Sousa recusa a “sedução do desconfinamento”

Tal como se previa, o Presidente da República não aceitará qualquer desconfinamento induzido pela melhoria dos números que envolvem a pandemia de Covid-19. “Até à Páscoa, temos que ganhar o verão e o outono”, repetiu.

Marta Temido explica como o Plano de Recuperação e Resiliência pode beneficiar o SNS. Veja em direto

Sob o mote “Um SNS mais próximo e resiliente”, este debate conta com a participação de um conjunto alargado de intervenientes representativos do setor da saúde, da ministra da Saúde, Marta Temido e Mariana Vieira da Silva, ministra de Estado e da Presidência. Veja em direto.
Comentários