Quase 100 trabalhadores indiretos da central termoelétrica de Sines “ficam sem emprego”

Quase 100 trabalhadores indiretos da central termoelétrica de Sines da EDP, com ‘luz verde’ para encerrar, “já receberam cartas de despedimento e ficam sem emprego”, alertou hoje o sindicato do setor que defendeu uma transição energética justa.

O Sindicato das Indústrias, Energias, Serviços e Águas de Portugal (SIEAP) alertou para o grave problema dos trabalhadores indiretos da central termoelétrica de Sines da EDP que já receberam carta de despedimento e defendeu uma transição energética justa.

“Há 99 trabalhadores que a partir de hoje ficam sem emprego com o encerramento da central, ou seja já têm as cartas de despedimento”, disse o representante do Sindicato das Indústrias, Energias, Serviços e Águas de Portugal (SIEAP), Egídio Fernandes, à agência Lusa.

Estes trabalhadores, a partir da próxima segunda-feira, 04 de janeiro, “apresentar-se-ão no Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) para solicitar o respetivo subsídio de desemprego e reemprego”, acrescentou.

A EDP recebeu as autorizações necessárias para encerrar a atividade na central a carvão de Sines a partir de 15 de janeiro e pretende fazê-lo nessa mesma data, disse hoje fonte oficial da empresa à Lusa.

“A EDP confirma que recebeu as autorizações necessárias para encerrar a atividade da Central de Sines a partir de 15 de janeiro e mantém os planos para encerrar nessa data”, informou a empresa do setor energético.

De acordo com o dirigente sindical, “nas últimas duas semanas, o IEFP, tem feito ações de informação com um conjunto muito alargado de trabalhadores diretos e prestadores regulares de serviços da EDP sobre o subsídio de desemprego, reemprego e condições de acesso à reforma”.

“Neste momento estão a decorrer ações individuais para analisar a situação social, de emprego e académica de cada trabalhador, para a possibilidade de integrarem ações de formação com vista a novos empregos que, eventualmente, virão para Sines”, no distrito de Setúbal, indicou.

A solução para estes trabalhadores “que prestam serviços em instalações essenciais ao funcionamento da central, e alguns deles há mais de 30 anos”, poderá ser a “nova industria do hidrogénio” verde, cujo início da construção está previsto para 2021 e o arranque da produção em 2022.

“A acontecer prevemos que alguns destes trabalhadores poderão integrar a exploração da nova industria”, adiantou o sindicalista, considerando que “uma transição energética justa” passa por “um reemprego imediato destes trabalhadores que são técnicos qualificados e altamente qualificados”.

O sindicato defende que “sejam considerados “trabalhadores em trânsito”, ou seja de uma empresa para outra e não desempregados”.

“Nestes processos há sempre trabalhadores que não são reintegrados, outros que irão optar por outra vida mas o nosso objetivo é manter e até, se possível, reforçar o emprego na região do litoral alentejano”.

Quanto aos trabalhadores da EDP, “uma parte deles têm o problema em vias de resolução, mas há um grupo mais pequeno, de trabalhadores com menos de 50 anos, que não têm solução à vista”, indicou o dirigente do SIEAP.

“Numa primeira fase alguns ficarão na central porque é necessário fazer o descomissionamento e outros terão que ser movimentados para outros locais de trabalho da EDP, sendo que o mais perto será Setúbal, Beja ou Évora”, explicou.

Dos 109 trabalhadores que “inicialmente estavam com problemas da pré-reforma, reforma, mobilidade ou não, há sete ou oito trabalhadores que não sabemos para onde vão após o encerramento e há um problema ainda com cerca de 16 trabalhadores que não sabemos se aceitarão a pré-reforma”, disse Egídio Fernandes.

“Estamos em conversações com a EDP porque as condições que se fazem nestas circunstâncias são condições de acordo e as condições de acesso à reforma ainda não são muito claras, mas creio que seja resolvido e iremos pugnar para que haja um menor prejuízo possível”, concluiu.

Ler mais
Recomendadas

Grupo de trabalho defende subida de taxa nas barragens da Engie no rio Douro

Três das barragens pagam atualmente 67 mil euros por ano, mas com uma atualização da taxa passariam a pagar 751 mil euros anuais. Parte da receita da taxa de recursos hídricos deve ser usada no “apoio de projetos no território” impactado pelas barragens, defende o documento.

Luís Filipe Vieira vai hoje à Comissão de Inquérito para explicar reestruturação da dívida ao Novo Banco

Fundo que ficou com a maior parte das dívidas e ativos do grupo Promovalor ao Novo Banco não vai conseguir cumprir plano de reembolsos. Como o presidente do Benfica deu o seu aval, poderá ser executado pelo Novo Banco já no próximo ano. Vieira é um dos grandes devedores a ser ouvido nesta segunda-feira pelos deputados.

Vítor Bento será o próximo presidente da Associação Portuguesa de Bancos, avança Marques Mendes

Vítor Bento tem vasta experiência no sector financeiro. O economista foi presidente executivo da SIBS e também foi o último presidente do Banco Espírito Santo e o primeiro do Novo Banco.
Comentários