Quase 15 mil toneladas. Estes são os líderes do G20 com maior pegada de carbono

Trump pode ser o líder que menos acredita no aquecimento global, mas não é aquele que tem a maior pegada de carbono. Conheça as 16 figuras políticas com a maior pegada carbónica.

Um dos tópicos mais importantes durante a cimeira G20, que decorreu na semana passada, em Osaka, no Japão, esteve centrado no debate sobre as alterações climáticas.

Mas quando se trata do impacto ambiental provocado por cada líder político, Trump – apesar de ser quem mais se abstém sobre a questão – não é o líder do G20 com a maior pegada de carbono.

De acordo com as análises recolhidas com base nos voos internacionais realizados pelos líderes do grupo em 2018, a Bloomberg concluiu que o líder do Japão é quem ocupa o lugar cimeiro no ranking com uma pegada de carbono de 14.442,1 toneladas. Donald Trump aparece em segundo e a fechar o pódio vem Moon Jae-in, primeiro ministro da Coreia do Sul.

A análise também tem em conta o modelo de avião usado pelos vários líderes, referindo que o Boeing 747-200B de Trump é o que emite mais dióxido de carbono de qualquer outro avião.

Recomendadas

Portugal é 19.º no mundo na transição para energias limpas

Portugal está em 19.º lugar, com uma pontuação de 64,2% (era 16.ª em 2019, com 65%), numa lista liderada pela Suécia, pelo terceiro ano consecutivo, seguindo-se Suíça e Finlândia.

EUA querem suspender atividade da Chevron na Venezuela

Os EUA só garantem a integridade dos ativos da Chevron na Venezuela até 1 de dezembro. O Tesouro norte-americano quer que a Chevron suspenda a sua atividade local, enquanto os EUA apertam o cerco a Nicolás Maduro. A Chevron não se mostrou disponível para sair da Venezuela, sabendo-se que os grupos russos e chineses estão interessados em desenvolver maiores atividades no petróleo venezuelano.

Imposto de 50 dólares por tonelada de CO2 pode triplicar incumprimento do crédito dos setores da energia e petróleo

Um estudo da Oliver Wyman concluiu que a introdução de uma taxa de imposto de 50 dólares por tonelada sobre as emissões de dióxido de carbono (CO2) das empresas que atuam nas indústrias da energia e do petróleo pode triplicar o seu risco de incumprimento do crédito.
Comentários