Quase 2.300 novos casos em 24 horas em França

“Os indicadores estão a degradar-se, confirmando-se uma circulação mais ativa do vírus no conjunto do território, em particular entre os jovens adultos”, constatou a DGS francesa, que apelou ao “reforço da vigilância”.

Paris, França | Christian Hartmann/Reuters

Os indicadores da covid-19 continuam a degradar-se em França, onde, nas últimas 24 horas, 2.288 pessoas testaram positivo ao novo coronavírus, aumento inédito desde maio, indicou hoje a Direção Geral de Saúde (DGS) francesa.

Segundo o balanço da DGS local, a França registou mais de 9.330 novos casos numa semana (1.604 na quinta-feira e 1.695 no dia anterior), depois de a barreira dos 1.000 novos casos diários ter sido ultrapassada em fins de julho.

“Os indicadores estão a degradar-se, confirmando-se uma circulação mais ativa do vírus no conjunto do território, em particular entre os jovens adultos”, constatou a DGS francesa, que apelou ao “reforço da vigilância”.

Desde quinta-feira, apareceram 21 novos focos de covid-19, elevando o número total para 787, permanecendo ativos 288.

Nas últimas 24 horas, as autoridades sanitárias gaulesas contabilizaram mais 12 mortes, elevando o total para 30.324 óbitos – 19.818 em estabelecimentos hospitalares e 10.506 em lares de terceira idade e centros de saúde.

Terça-feira, o Conselho Científico francês, que assessoria o Governo de Paris na luta contra a covid-19, avisou que a França “não está imune” a uma retoma descontrolada da epidemia e instou os franceses a respeitar as medidas de proteção.

O uso de máscara, obrigatório nos espaços públicos fechados desde 20 de julho, está a estender-se aos abertos num cada vez maior número de cidades em todo o país.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 715 mil mortos e infetou mais de 19,1 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Ler mais
Relacionadas

Trump e Macron discutem ajuda imediata ao Líbano

A França e outros países enviaram ajuda de emergência ao Líbano, que incluía profissionais e equipamentos de saúdes, bem como alimentos. Até ao momento os Estados Unidos ainda não forneceram qualquer tipo de ajuda.

“Que legitimidade tem para se apresentar como salvador?” Visita de Macron ao Líbano provocou críticas internas

Emmanuel Macron esteve hoje em Beirute, dois dias depois do desastre originado por duas violentas explosões que provocaram dezenas de mortes e milhares de feridos, para oferecer a ajuda da França e reunir com autoridades locais, junto das quais se disponibilizou para organizar um programa para a reconstrução do país.
Recomendadas

Banco central baixa previsão sobre queda da economia brasileira para 5%

As novas estimativas estão em linha com as projeções de agentes do mercado consultados semanalmente pelo Banco Central, que prevê uma retração económica de 5,05% no PIB brasileiro em 2020. O Brasil ainda recupera de uma grave recessão entre os anos de 2015 e 2016, período em que o PIB caiu sete pontos percentuais.

Rússia anuncia que vai cooperar com o Irão

O ministro das Relações Exteriores russo disse que o seu país iniciará imediatamente a cooperação com o Irão assim que o embargo sobre a venda de armas expirar – o que acontecerá em outubro.

Angola: Manuel Vicente denuncia manobra de diversão

O ex-vice-presidente de Angola Manuel Vicente negou ter-se apropriado de 193 milhões de euros da Sonangol, como denunciou o antigo gestor de Isabel dos Santos, e apelida a acusação de “indecorosa manobra de diversão”.
Comentários