Quatro dias após baixar imposto da gasolina Governo aumenta taxa de carbono

Portaria publicada na sexta-feira revela um agravamento na taxa de carbono sobre os combustíveis, que terá um impacto de 1,3 cêntimos por litro na gasolina e 1,5 cêntimos no gasóleo.

O novo ano trouxe uma descida nos combustíveis, motivada pela baixa do imposto sobre os produtos petrolíferos (ISP) de três cêntimos, que fez a gasolina cair cinco cêntimos, mas o Governo vai aumentar a taxa de carbono sobre os combustíveis.

Uma medida que já estava prevista no Orçamento de Estado, mas que somente foi publicada esta sexta-feira, numa portaria publicada no Diário da República Eletrónico (DRE), segundo revela este sábado o “Observador”.

Os adicionais cobrados no imposto a título de taxa de carbono vão subir 1,3 cêntimos na gasolina e 1,5 cêntimos no gasóleo. De acordo com a portaria, esta atualização da taxa de carbono segue a evolução dos preços das licenças de dióxido de carbono no mercado europeu de carbono que sofreram uma forte valorização no ano passado.

O objetivo deste imposto adicional, criado na reforma da fiscalidade verde aprovada pelo Governo do PSD/CDS, é de incentivar a descarbonização da economia.

Relacionadas

Combustíveis voltam a subir três meses depois

Os combustíveis (gasolina e gasóleo) vão subir até dois cêntimos a partir da próxima segunda-feira, 7 de janeiro, de acordo com fontes do setor contactadas pelo Jornal Económico.
Recomendadas

Von der Leyen: Certificado Covid-19 aprovado num recorde de 62 dias (com áudio)

A presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, saudou hoje os responsáveis da presidência portuguesa da União Europeia (UE), Parlamento Europeu (PE) e executivo comunitário por terem conseguido aprovar o certificado digital covid-19 num recorde de 62 dias.

Inflação homóloga aumentou para 1,2% em maio

A classe com maior contributo positivo para a variação mensal do IPC foi a dos ‘transportes’, com uma variação mensal de 0,7% (0,5% no mês anterior e -1,3% em maio de 2020). Em sentido inverso, a classe com maior contributo negativo para a taxa de variação mensal do índice total foi a do ‘lazer, recreação e cultura’, com uma variação mensal de -0,6% (-0,3% em abril e -1,6% em maio de 2020).

Sector do turismo com crescimento homólogo superior a 800%, mas longe de números pré-pandemia

As dormidas de cidadãos residentes em Portugal subiram 517% com as de não-residentes a aumentarem 496%. Face a abril de 2019, registaram quedas de 60% e de 93%, respetivamente.
Comentários