Quatro dias após baixar imposto da gasolina Governo aumenta taxa de carbono

Portaria publicada na sexta-feira revela um agravamento na taxa de carbono sobre os combustíveis, que terá um impacto de 1,3 cêntimos por litro na gasolina e 1,5 cêntimos no gasóleo.

O novo ano trouxe uma descida nos combustíveis, motivada pela baixa do imposto sobre os produtos petrolíferos (ISP) de três cêntimos, que fez a gasolina cair cinco cêntimos, mas o Governo vai aumentar a taxa de carbono sobre os combustíveis.

Uma medida que já estava prevista no Orçamento de Estado, mas que somente foi publicada esta sexta-feira, numa portaria publicada no Diário da República Eletrónico (DRE), segundo revela este sábado o “Observador”.

Os adicionais cobrados no imposto a título de taxa de carbono vão subir 1,3 cêntimos na gasolina e 1,5 cêntimos no gasóleo. De acordo com a portaria, esta atualização da taxa de carbono segue a evolução dos preços das licenças de dióxido de carbono no mercado europeu de carbono que sofreram uma forte valorização no ano passado.

O objetivo deste imposto adicional, criado na reforma da fiscalidade verde aprovada pelo Governo do PSD/CDS, é de incentivar a descarbonização da economia.

Relacionadas

Combustíveis voltam a subir três meses depois

Os combustíveis (gasolina e gasóleo) vão subir até dois cêntimos a partir da próxima segunda-feira, 7 de janeiro, de acordo com fontes do setor contactadas pelo Jornal Económico.
Recomendadas

Os cinco problemas da economia angolana aos olhos do FMI

O Fundo Monetário Internacional aprovou a segunda tranche de financiamento para Angola no valor de 248,15 milhões de dólares, mas identificou cinco desafios que as autoridades angolanas devem fazer de tudo para ultrapassar, entre os quais a diversificação económica.

Governo estima atribuir 156 mil novas pensões este ano

Os dados foram avançados por Mário Centeno na Comissão do Trabalho e da Segurança Social, em resposta a críticas dos deputados sobre atrasos na atribuição de pensões.

“Sem fundo de garantia de depósitos comum, união bancária é insuficiente”, afirma economista-chefe do FMI

Gita Ginopath, economista-chefe do Fundo Monetário Internacional, disse que o “próximo passo” para o reforço da união bancária passa pela construção do fundo de garantia de depósitos comum, elemento fundamental para o futuro da União Económica e Monetária. E, para a união dos mercados de capitais, defendeu a construção de “instituição central para instituições não financeiras”.
Comentários