Quatro dias após baixar imposto da gasolina Governo aumenta taxa de carbono

Portaria publicada na sexta-feira revela um agravamento na taxa de carbono sobre os combustíveis, que terá um impacto de 1,3 cêntimos por litro na gasolina e 1,5 cêntimos no gasóleo.

O novo ano trouxe uma descida nos combustíveis, motivada pela baixa do imposto sobre os produtos petrolíferos (ISP) de três cêntimos, que fez a gasolina cair cinco cêntimos, mas o Governo vai aumentar a taxa de carbono sobre os combustíveis.

Uma medida que já estava prevista no Orçamento de Estado, mas que somente foi publicada esta sexta-feira, numa portaria publicada no Diário da República Eletrónico (DRE), segundo revela este sábado o “Observador”.

Os adicionais cobrados no imposto a título de taxa de carbono vão subir 1,3 cêntimos na gasolina e 1,5 cêntimos no gasóleo. De acordo com a portaria, esta atualização da taxa de carbono segue a evolução dos preços das licenças de dióxido de carbono no mercado europeu de carbono que sofreram uma forte valorização no ano passado.

O objetivo deste imposto adicional, criado na reforma da fiscalidade verde aprovada pelo Governo do PSD/CDS, é de incentivar a descarbonização da economia.

Relacionadas

Combustíveis voltam a subir três meses depois

Os combustíveis (gasolina e gasóleo) vão subir até dois cêntimos a partir da próxima segunda-feira, 7 de janeiro, de acordo com fontes do setor contactadas pelo Jornal Económico.
Recomendadas

Notícias sobre a morte do carvão ainda são exageradas

O uso do carvão para a produção de eletricidade está a acabar em Portugal e em declínio no mundo ocidental, mas vai voltar a aumentar na Ásia.

Mais de metade das embalagens de pesticidas por recolher em 2020, alerta Zero

Mais de metade das embalagens de pesticidas ficaram por recolher em 2020, representando cerca de 480 toneladas, alertou este domingo a associação ambientalista Zero em comunicado.

Perdas de empresa de Luís Filipe Vieira custam 181 milhões de euros aos contribuintes

Entre julho de 2016 e até final de 2018, os créditos da Promovalor deram ao Novo Banco perdas de 181 milhões de euros, mas como estes créditos estavam abrangidos pelo Acordo de Capitalização Contingente (ACC), foram os contribuintes que tiveram de pagar ao NB.
Comentários