PremiumQuatro empresas investem mais de 160 milhões na canábis em Portugal

Negócio a que chamam ‘ouro verde’ já tem quatro ‘players’ em Portugal e as previsões apontam para a criação de 750 novos postos de trabalho.

O negócio da canábis medicinal está a crescer e já existem quatro empresas a plantar aquilo a que muitos chamam ‘ouro verde’ em solo português. Atualmente, a nível internacional, este mercado está avaliado em cerca de 200 mil milhões de dólares (cerca de 174 mil milhões de euros ao câmbio atual). Em Portugal, foram investidos, até à data, 160 milhões de euros, mas este valor pode vir a aumentar depois do acordo entre os investidores da Terra Verde ser  finalizado, segundo apurou o Jornal Económico.

Ao todo, serão criados 750 novos postos de trabalho que variam desde a mão-de-obra agrícola à especializada (farmacêuticos, biólogos e engenheiros químicos). A legalização do uso de canábis para fins medicinais foi aprovada em junho de 2018 e a regulamentação publicada em Diário da República a 15 de janeiro de 2019.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Relacionadas

Já há quatro empresas a plantar canábis medicinal em Portugal

Situadas no sul do país, estas empresas vêm explorar um novo mercado em Portugal. A primeira fábrica da União Europeia de canábis medicinal vai ser inaugurada no final deste mês, em Cantanhede.

Será a marijuana o caminho para uma ‘mina de ouro’?

Empresas que investiram neste negócio, tais como a ”Canopy Growth”, ”Aurora” e ”Aphria”, apresentam subidas significantes em bolsa há um ano, com um património atual avaliado em milhões de doláres.
Recomendadas

Farfetch escolhe mais sete startups para acelerar e uma delas é portuguesa

O programa de empreendedorismo da tecnológica contará, na terceira edição, com a BECOCO, Brandpoint Analytics, Change of Paradigm, Inline Digital, Mirow, Personify XP e a Springkode.

Novo Banco faz fusão por incorporação com BES das Ilhas Caimão

Contactada pela Lusa, fonte oficial do Novo Banco confirmou a informação, explicitando que se trata de uma fusão por incorporação.

BCP ficou com 10,9% na Inapa que quer vender no mercado

O BCP ficou diretamente (sem contar com a participação do Fundo de Pensões) com 10,88% da Inapa que quer vender no mercado paulatinamente, para não perturbar a bolsa.
Comentários