Que impacto da pandemia no mercado imobiliário?

É vital que o Governo garanta que quem tem casa não vai perdê-la por causa da pandemia. Sem isso a crise que aí vem será ainda pior.

Nos últimos dias começaram a sair as primeiras notícias do impacto que a Covid-19 está a ter no mercado imobiliário. Já não há dúvidas: o preço das casas vai cair e as rendas vão baixar.

O setor imobiliário identificou o problema que tem enfrentado nas últimas semanas. Já ninguém está a ir ver casas para comprar, os grandes investidores desapareceram – há notícias de perdas internacionais entre os 60% e os 90% – e a dificuldade em manter as escrituras que estavam marcadas é uma realidade. “Não está a acontecer rigorosamente nada”, diz o presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP).

A Associação de Proprietários está com tanto medo que já pediu ao Governo que requisite hotéis para alojar as famílias que não consigam pagar a renda.

Os profissionais do Alojamento Local estão em pânico. As reservas que tinham foram canceladas e não há previsão para voltarem. Nos próximos meses não terão clientes, mas terão os custos do investimento que fizeram. Aliás, toda a indústria do turismo e da restauração está parada e já começaram os despedimentos selvagens, principalmente dos trabalhadores precários (ver aqui).

Ainda há duas semanas este cenário era impensável. Vendiam-se 500 casas por dia em Portugal, o preço médio do metro quadrado em Lisboa era de 3.205 euros, duas vezes mais que no Porto e três vezes mais que no resto do país. O mercado de arrendamento era ainda pior, com um T2 em Lisboa a custar 900 euros por mês e os arrendatários a ter de depositar seis meses de sinal para poderem garantir o imóvel.

Os preços das casas e os valores das rendas eram especulativos, os grandes negócios imobiliários faturavam milhões e os cidadãos comuns enfrentavam uma crise sem precedentes. O sobreaquecimento do mercado imobiliário era fruto de decisões políticas erradas: Lei do Arrendamento do CDS, vistos Gold, alojamento local desregulado, venda de património público a preços especulativos, falta de casas para arrendamento público.

Sem querer fazer futurologia, há coisas que já podemos antever. Se o investimento estrangeiro, incluindo vistos Gold, parou, então os preços especulativos vão descer. As avaliações vão reduzir o valor das casas, até porque as imobiliárias já não vão poder vender casas para o negócio do Alojamento Local. As casas que houver para vender primeiro vão ficar paradas e depois vão começar a reduzir o valor, uma vez que os únicos possíveis compradores serão as famílias, que também foram afetadas pela pandemia, porque já há notícia de uma vaga de despedimentos.

Para além disso, há no país mais de 90 mil casas em alojamento local, 20 mil só em Lisboa, e se estes negócios não conseguirem reservas nos próximos meses vão começar a procurar alternativas. Se tentarem a venda da casa enfrentarão a queda dos preços, mas se optarem por disponibilizar a casa no mercado de arrendamento poderão usufruir dos benefícios que foram criados pelo último Orçamento do Estado. Ainda assim, a prazo, o preço das rendas vai cair.

A forma como os bancos se vão comportar é ainda uma incógnita. As quedas nos mercados de capitais poderão obrigar o Estado e os contribuintes a salvar uma vez mais os bancos, e o Banco Central Europeu não poderá baixar muito mais as taxas de juro, que antes da Covid-19 já se encontravam em valores negativos.

É vital que o Governo garanta que quem tem casa não vai perdê-la por causa da pandemia. Por isso, foi muito importante a suspensão da caducidade dos contratos de arrendamento e a moratória aos despejos aprovada pela Assembleia da República por proposta do Bloco de Esquerda, tal como também é importante apoiar as famílias que não consigam manter as prestações aos bancos. Sem isso a crise que aí vem será ainda pior.

A Covid-19 vai criar uma situação totalmente nova que atingirá em cheio o mercado imobiliário porque era totalmente especulativo. Neste quadro, há novas responsabilidades para o Estado.

As câmaras municipais podem realizar um programa de compra das casas que estavam em Alojamento Local, reforçando o stock de habitação pública. Já o Governo tem uma responsabilidade neste momento: apoiar as famílias para não perderem a casa, e avançar com um programa público de habitação para evitar que a situação de crise habitacional se repita. Só assim se prepara o futuro para o dia depois de amanhã e se garante que as casas são para as pessoas viverem.

Recomendadas

Vamos arrumar a casa?

O novo RJCOE traz alterações a mais de 170 diplomas avulsos, designadamente na área do consumo, propriedade intelectual, desporto, imobiliário, no combate ao branqueamento de capitais, entre muitos outros.

A classe média na Ásia

Urge uma saída estratégica para as relações Ocidente-Ásia. Manter a política de hostilidade desencadeada por Trump não parece uma boa solução. Designar a China de “adversário estratégico”, como avançou Joe Biden, adianta pouco.

Não existem modelos universais

Ao fingirmos ignorar que não há modelos universais, a pretexto de uma suposta cientificidade, podemos negligenciar aspetos fundamentais na compreensão da realidade e das escolhas dos indivíduos.
Comentários