Que Portugal para o futuro?

Se todas as crises geram oportunidades, para já não se vislumbra nenhuma ideia do que se pretende para o país. É o tempo de os líderes mostrarem o que valem.

É nos momentos difíceis que emergem os grandes líderes. Ou, pelo contrário, se percebe quem, afinal, não tem capacidade.

O caso do Brasil é paradigmático. Questões de estilo à parte, as coisas estavam a correr bem ao país até fevereiro. A economia dava bons sinais e estavam em curso reformas importantes na segurança social e justiça e na estruturação dos mercados. Caminhava-se para uma economia mais aberta e preparava-se um plano de privatizações para modernizar a economia. Bolsonaro tinha delegado nos seus ministros e limitava-se a fazer a gestão política. Só que a Covid-19 expôs a sua real incapacidade de lidar com problemas mais complexos, facto que se agravou com a progressiva centralização de decisões. O resultado está à vista, com uma situação descontrolada da pandemia, uma economia em dificuldades, suspeitas de nepotismo e uma ainda maior divisão social num Brasil sem estratégia.

Em Portugal, o combate à pandemia não começou mal porque se fez o que era sensato e estava a ser decidido em quase toda a Europa. Com o passar do tempo, as mensagens contraditórias e alguma discricionariedade nas medidas levou a menor união e consciencialização entre os portugueses, fazendo com que o país tenha deixado de ser visto como um exemplo.

Chegamos a um momento crucial em que é preciso ter uma visão estratégica sobre o que vai ser Portugal. Se todas as crises geram oportunidades, para já não se vislumbra nenhuma ideia sobre o que se pretende para o país. Este é o tempo de os líderes mostrarem o que valem… ou não valem.

Recomendadas

Bolsas europeias seguem em baixa

O principal índice português não é exceção e negoceia em terreno negativo, com um deslize de 0,30% a meio da sessão desta quinta-feira. BCP, Galp Energia e Jerónimo Martins caem menos de 1%.

Ações da dona do Correio da Manhã valorizam-se mais de 18%

As ações da Cofina seguiam hoje a meio da manhã a valorizar-se mais de 18%, depois de na quarta-feira a empresa de Paulo Fernandes ter lançado uma Oferta Pública de Aquisição sobre 100% da Media Capital.

AIE revê em baixa procura de petróleo devido a enfraquecimento da aviação

É a primeira revisão em baixa em meses e estima que a procura será de 91,9 milhões de barris de petróleo por dia em 2020, menos 8,1 milhões do que no ano passado e menos 140.000 barris por dia do que na previsão anterior.
Comentários